Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

O QUINTO MÊS DO MARTIN


E é já amanhã que o Martin completa 6 mesinhos, mas com as férias de Natal só hoje é que pude falar deste mesinho que já vai longe...

 

Estavamos em Portugal quando o Martin fez 5 mesinhos, como a Pediatra dele tinha ficado doente fomos à consulta dos 5 meses ao Pediatra em Portugal, o mesmo que tínhamos ido em Agosto... Ficamos a saber que pesa quase 8kg e mede 70cm. O peso não aumentou muito, algo normal para esta fase devido ao facto dos bebés nesta idade serem muito mais activos e dispenderem muita mais energia, já o tamanho, diga-se de passagem que está muito maior que o Gui com a mesma idade! 

 

Este mês de vida foi marcado por muitas alterações, e a mais gira foi vê-lo interagir cada vez mais, principalmente com o Gui, lançando sorrisos e muitas gargalhadas!

 

Está cada vez mais curioso, e se há coisa que ele adora é explorar cada lugar novo, é mesmo giro ver o seu fascínio por tudo o que o rodeia. 

 

Aos poucos começou a brincar cada vez mais e sozinho, e tal como o Gui, prefere estar sempre acompanhado.

 

Uma semana antes de fazer 5 meses, o Martin descobriu que também tem pés, entrou na fase de tirar os sapatos e as meias, e já consegue chegar com os pés na boca! 

 

Consegue estar muito mais tempo sentado, com apoio, e tem um maior controlo sobre o tronco e a cabeça, mas acho que ainda vai demorar um tempinho a conseguir sentar-se sozinho.

 

Como está cada vez super curioso, quando mama distrai-se facilmente com outras pessoas, com sons, e até se eu falar deixa de mamar para ouvir o que se passa! É muito engraçado vê-lo entusiasmado, mas torna-se muito difícil alimentá-lo assim, pelo que só consegue comer bem em locais calmos.

 

Continua a comer de 2 em 2 horas, e à noite de 3 em 3 horas... Pensei que iria começar a mamar menos durante a noite, mas pelos vistos não está muito virado para isso... (Eh... Eh... Eh...) A novidade foi a introdução de alimentos depois que fomos à consulta do quarto mês, comeu a comer pela primeira, no dia 1 de Dezembro, um puré de legume, e diga-se de passagem que não correu muito mal... Quem estava super entusiasmo era o Gui, afinal o mano dele começou a crescer como ele tanto queria...

 

As cólicas quase desapareceram, são muito raras e surgem apenas quando se introduz um novo alimento.

 

Quanto ao padrão de sono digamos que está mais ou menos estabelecido... De noite dorme cerca de 12 horas e de dia faz três ou quatro sestas de 30 a 45 minutos. E o melhor, é que ao contrário do Gui, o Martin não gosta de dormir no colo, prefere estar todo esticadinho no berço ou na alcofa! 

 

As grandes paixões do Martin são o Gui (fica fascinado com tudo o que ele faz), as brincadeiras, a hora do banho e as gargalhadas que lhe lançamos.

 

É tão bom ver que a cada dia que passa ele interage cada vez mais connosco, é maravilhoso ver o seu sorriso, ouvir as suas gargalhadas, e apercebermo-nos das suas pequenas grandes descobertas! Estamos cada vez mais apaixonados, e mesmo sendo pais de segunda viagem, todas as pequenas coisas que ele faz, por mais banais que vocês possam imaginar, continuam a derretem o nosso coraçãozinho! 

IMG_0677.JPG

PARA TI QUE ESTÁS GRÁVIDA ❤️

"Hoje eu vou falar para ti, que estás grávida. Vou contar-te coisas que poucas pessoas têm coragem de nos falar. Talvez por medo, talvez para não soar negativo, para não colocar medo. Hoje, quero dar-te as mãos, levar-te para um lugar tranquilo e falar olhando nos teus olhos. Quero contar-te algumas coisas. Coisas que ninguém me disse, e que quando eu senti, imaginei-me a pior das criaturas por achar que só eu vivenciava aquilo.

Pois bem. Logo tu darás à luz todo o sentido da tua vida. Serás inundada por um amor nunca antes sentido, imaginado, vivenciado. Terás a certeza de que os teus dias, enfim, terão sentido. Essa fofura em forma de bebé trará alegrias, descobertas e muitas aventuras.
Mas, também te digo que muitas coisas não são tão positivas, podem ocorrer e isso é normal. Sim, normal! Porque, antes de sermos mães, nós somos mulheres. Somos de carne e osso, coração e cérebro. E diria que muito mais coração do que cérebro. Porque nós temos as nossas limitações, porque nos cansamos, porque temos sono, porque temos desejos, porque somos seres humanos.

Essa criaturinha que está a chegar vai precisar de ti a 100% do teu tempo nesse início de vida. E ele vai chorar, e ele não vai dormir, e ele vai pendurar no teu peito por horas e horas e horas. E quando tu estiveres quase a dormir ele vai ter a fralda cheia de xixi. E quando estiveres prontinha para sair ele vai regurgitar em cima da roupa linda dele e em cima de ti, deixando um cheiro azedo.

Não, ele não fará isso para te punir, nem porque tem manhas. Os bebés não têm maturidade emocional para fazer joguinhos de manha. Eles apenas são bebés e precisam de cuidados. Precisam de alguém que os alimente. Acabaram de sair de um útero quentinho, onde estavam protegidos do frio e da luz.

E tu poderás sentir-te, por muitas e muitas vezes, com raiva. E poderás sentir culpa por sentires raiva. E isso vai doer. Vais encontrar, na Internet, milhões de relatos apaixonados sobre a maternidade, sobre o encanto de ser mãe, sobre a coisa mais deliciosa do mundo de cuidar de um bebé. E muitas vezes vais sentir-te a pior mãe do mundo e vais te questionar: <se todos só falam do amor e prazer de ser mãe, porque que é que eu me sinto tão cansada, precisando de mim e querendo ser eu novamente?>.

Eu digo-te: porque tu és normal. Tu és um ser humano. Tu tens desejos, sonhos e necessidades. Não te sintas culpada quando isso acontecer. Ter filhos dá trabalho, sim! Eles são extremamente dependentes, e isso, às vezes, até nos assusta. Pode ser que chores, que tenhas vontade de desaparecer, que olhes para aquele bebezinho tão lindo e não tenhas vontade de pegá-lo no colo. Sim, pode até acontecer!

E isso não significa que és uma péssima mãe. Não. Muitas de nós sentimos isso. Muitas sofrem caladas, eu vivenciei isso e algumas, amigas e conhecidas, também. Não te sintas mal.

Sabes o que é melhor? O melhor é que tiramos uma força não sei de onde, um poder, um amor, sacudimos a poeira, damos a volta por cima em instantes e abrimos um sorriso. Voltamos a ter a doçura que nos é peculiar. Abrimos os braços para o nosso bebé. E damos o peito. E mimamos. E acalentamos. Sentindo um amor que não cabe em adjetivos nem expressões.

E isso é a maternidade. É a dedicação exclusiva mais gratificante da tua vida. E também, por que não, mais cansativa? Mas, quem é que disse que seria fácil? Fomos preparadas para ser mãe e temos condições de superar tudo isso. Amor, esse amor de verdade que falamos quando experimentamos a maternidade, tem um custo. E sabes o melhor? Nós conseguimos! Pagamos qualquer preço e vale muito a pena. Ah, se vale!..." (Texto adaptado - Autor desconhecido)

IMG_0628.JPG

Isto tudo para dizer que eu própria esta noite me senti assim... Acho que foi a pior noite que o Martin teve desde que nasceu... Ele que costuma ser tão calmo e dormir como um anjinho, passou a noite a acordar e a chorar, praticamente todas as horas... Estava cheio de cólicas e nem as gotas milagrosas foram capazes de o sossegar. Às tantas comecei a ficar exausta,  tinha sono, dali a umas horas tinha que me levantar para ir levar o Gui à escola e recomeçar um outro dia... O R. acabou por ter que ajudar também... E eu senti-me mal por estar cansada e ter sono e não ser capaz de estar a cuidar do meu bebezinho... Já eram quase 6 horas quando o Martin ficou mais calmo, o R. já tinha saído para o trabalho, e eu pude respirar de alívio... 

Há dias em que a Maternidade nos mostra o seu lado menos bom, hoje, como mãe de segunda viagem, sei que é perfeitamente natural sentirmo-nos às vezes assim... A primeira vez que isto me aconteceu, no nascimento do Gui, confesso que me senti a pior pessoa do Mundo! 

Se voltava a fazer tudo de novo?! Claro que SIM, não há nada melhor que ser MÃE! ❤️

 

TEMPO LIVRE

IMG_0611.JPG

E ainda há quem acredita que ficar em casa com os filhos pequenos é ter boa vida e tempo livre de sobra... Eu cá ainda não consegui encontrar esse tempo livre que muitas pessoas falam... Alguém me explica como é que se arranja uma dose dessas para mim?!

 

PARTILHAR

Fui buscar o Gui à escola e quando chegamos a casa comecei a brincar com o Martin e o Gui... Nisto o Gui começou a mostrar os brinquedos ao Martin, um de cada vez... Trazia um, brincava um bocadinho, tornava a guardá-lo e trazia outro... O Martin estava a adorar... De repente, pegunto ao Gui:

- Quando o mano fôr mais crescido vais emprestar-lhe os teus brinquedos todos?

O Gui, olha para os brinquedos e com um ar muito sério responde:

- Sim, vou emprestar mamã... Quando o mano tiver o cabelo assim grande como o meu... Muito grande mesmo... Eu vou emprestar...

IMG_0545.JPG

Não aguentei e comecei-me a rir... Com esta resposta é que eu não estava mesmo à espera! Eh... Eh... Eh...

 

QUEM SE IDENTIFICA?!

IMG_0411.JPG

Vai se lá saber o motivo...

Eh... Eh... Eh...

ESTOU CANSADA

"Às vezes, parece que ninguém nota os esforços diários de uma batalha materna.

Ninguém nota as madrugadas de insónia, os choros contidos, os banhos não tomados, o almoço quente e saboroso que se transformou num pão com manteiga e num café gelado.

Ninguém nota quando a mãe está trabalhando no limite da exaustão. Seja limpando, educando ou emprestando um imenso pedaço de si para manter aquele pequeno em perfeitas condições.

Por trás de um filho feliz, existe uma mãe despenteada, com roupa amassada e... Cansada!

Por trás de um filho feliz, existe um trabalho pesado que ninguém (ou quase ninguém) ousa se importar.

A Maternidade é uma profunda, dolorosa e imensa doação de si mesmo. 

A Maternidade é uma jornada para valentes, lugar de gente corajosa que se aventura na batalha de criar um ser humano independente: dando limites, emprestando as suas noites de sono, multiplicando as forças e amando-os para sempre, mesmo quando eles nos levam à loucura.

A Maternidade é essa insana e profunda doação do nosso próprio coração. E mesmo quando ninguém nota, lá está ela - a mãe, doando o seu corpo, multiplicando o seu amor, dividindo os seus sorrisos e vivendo na mais completa e feliz exaustão. Porque toda a Mãe sabe que a melhor recompensa, para tanto cansaço, já está nas suas mãos!

E eu, ESTOU CANSADA, acreditem! Mas jamais cansada de ser Mãe." ❤

IMG_0368.JPG

(Texto adaptado de maezice, por Ananda Urias)

BEM-VINDO OUTONO 💛

Sonhar, viver, sorrir e todo o dia agradecer... Foi com este pensamento que nos despedimos ontem do último dia de Verão...

IMG_0309.JPG

Sonhar, porque faz a vida mais feliz...

Viver, porque viver é muito mais que existir...

Sorrir, porque um dia sem um sorriso é um dia desperdiçado...

E agradecer todos os dias... Agradecer cada momento, mesmo que pareça banal... Agradecer tudo o que temos e não temos, para que possamos merecer o muito...

Passamos demasiado tempo preocupados com o que queremos ter que nos esquecemos de agradecer o que já temos... Por isso, aqui estou eu hoje a agradecer pelo maravilhoso Verão de 2019

Sejas bem-vindo Outono... Que comece agora a magia desta Estação, este ano com um sabor ainda mais doce! ❤️

A MATERNIDADE É PARA AS FORTES

"Por isso não duvides de ti mesma nos dias que mais parecem uma avalanche de desafios. 

Tu tens sido forte, Mãe. 

Forte porque a maternidade é linda claro, mas é também árdua e cheia de obstáculos. E tu tens superado cada um deles com medo, ou sem.

Tu tens sido forte, Mãe. 

Tens sido forte lidando com essa questão confusa de quem eras antes, de quem és agora, e de quem te estás a tornar... Tens sido forte porque, de repente, não sabes mais quem és... A identidade fica confusa, dá nó na cabeça... Deixa-nos meio confusas. Encontrar-se através de tantas novas obrigações e emoções não é fácil não... 

Tu tens sido forte, Mãe. 

Afinal a maternidade exige muito. Exige tudo. Tempo, doação, paciência. Amor jorrando de uma fonte sem fim. Faz chorar, sangrar, doer, transformar.

Tens sido forte, Mãe.

Tens sido forte porque mesmo que o pai participe ativamente e que tu tenhas uma rede de apoio espetacular, uma hora ou outra és só tu. Uma hora ou outra é profundamente solitário e complicado lidar com a nossa escuridão. 

Tu tens sido forte, Mãe. 

Tens sido forte porque vais dormir cansada, e quando acordas continuas cansada mas sorris sem te dares conta, espontaneamente e agradeces. Agradeces porque um filho é um presente, uma alegria, um amor, uma luz.
Não aceites, não ouses dizer que tu não és boa o suficiente. Valoriza-te. Valoriza o teu esforço. O teu papel. A tua entrega!

Toda a Mãe é força. Todo o filho é luz.
Já fomos luz, hoje somos força e devemos orgulhar-nos disso!"

(Texto da leitora: @maniryvasconcelos / Co-autoria: @maeforadacaixa)

Image-4894.jpg

DEPOIS QUE ELE NASCE

“Depois que ele nasce,

Ela fica ali.

O útero vazio,

O coração apertado.

O peito cheio de leite.

Todo a gente em cima do bebé...

E ela ali, de resguardo...

Resguardo? Até parece.

O Puerpério é puro agitação, pura emoção, sentimentos à flor da pele.

O bebé está perto mas não está mais dentro, e isso não gera nenhum acalento.

É uma delícia ver nascer, mas é um processo até entender.

Descarga de hormonas,

Sangramento por 40 dias,

Dar de mamar,

E enfrentar desafios...

Quando o bebé nasce acabam as regalias...

- Você é mãe.

Toda a gente espera dela,

enquanto ela se recupera...

E o bebé? Mamou? Dormiu? Tomou banho?

E todo a gente continua à olhar para o bebé.

E ela ali, à mercê...

Ninguém quer saber do banho dela, do conforto, do bem estar como faziam na gravidez.

É tudo sobre o bebé.

E ela ali à mercê, lidando com o que tinha dentro, fora.

O coração que batia dentro, batendo fora, e com vida própria.

Uma vida que todos dizem depender dela,

Mas quem é mesmo que olha por ela?

A delicadeza é perceber que o bebé precisa de cuidados, claro. Mas é a mãe que precisa de muita atenção, depois de tanta emoção.

E não só atenção, é mais, muito mais.

É carinho, abraço apertado, um olhar com cuidado.

É por isso que eu digo: a Mulher no puerpério precisa do seu abraço como abrigo.

Não importa se você é o marido, a irmã, o irmão, a mãe, o pai, a sogra, o sogro, a vizinha, a amiga, ou o doutor. Todo a gente cabe para ser o abraço acolhedor.

Abrace, acolha e lembre-se:

O bebé está para ela, assim como ela está para você.”

(@maeforadacaixa)

IMG_20190726_200347_059.jpg

OLÁ MUNDO 💙

IMG_0154.JPG

Já devem ter suspeitado desta minha ausência por aqui no blog... Pois é, faz hoje uma semana que eu e o R. "corríamos" para a Maternidade, com contracções rítmicas e dolorosas... Ao fim de 40 semanas e 4 dias, exactamente no dia 16 de Julho, o Martin dava sinais de que queria finalmente nascer... Mas foram precisas mais umas horas, pois ele achou que seria melhor nascer com 40 semanas e 5 dias, no dia dos 7, mais precisamente no dia 17 de Julho (17/7)  às 3h27min (hora francesa)...

 

Hoje passei só para vos dar esta excelente notícia, prometo partilhar com vocês esta minha segunda experiência do parto... Um parto normal, onde nasceu um Principezinho 2, mais gordinho que o Gui, com 3.890gr e 53cm... Mais um dia muito esperado, repleto de boas emoções que ficará para sempre na nossa memória!

 

Dá para imaginar que a nossa vida tornou a dar uma volta de 360 graus, uma volta que apesar de cansativa, mudou a nossa vida agora para 10000 vezes melhor...

 

Quanto ao Gui só posso dizer que, para já, superou em muito as nossas expectativas... Um Super Irmão, babado e protector, tal e qual a nós... Agora sim, a Família está completa! ❤️

IMG_0165.JPG

PROTEJA O RECÉM-NASCIDO ❤️

Quando um bebé nasce, todos ficam contagiados com a alegria do seu nascimento...  Querem conhecer o rosto, descobrir com quem se parece, se é magrinho, se é gordinho, bochechudo, grande ou pequenino... Contudo, apesar das intenções serem as melhores, os erros são frequentes... Muitas pessoas não têm noção do que é um recém-nascido e, por vezes, os pais ficam numa posição em que não se querem afirmar para não parecerem mal-educados, por isso, antes de visitar o recém-nascido, é preciso estar atento a certos cuidados pois é importante protegê-lo!

 

Existe um conjunto de regras básicas a ter em conta, que, se não forem cumpridas, colocam em causa a saúde e a segurança do recém-nascido. E são estes comportamentos errados que podem levar a infeções no período neonatal que, muitas vezes, levam ao internamento, e o internamento é uma situação violenta. O ideal é manter estes cuidados nos primeiros 28 dias de vida...

 

IMG_0143.JPG

1. Esqueça os beijos

Existem muitas pessoas que não percebem, mas isto é essencialmente uma questão de higiéne e saúde. Já pensou na quantidade de coisas que nós adultos tocámos no dia-a-dia?!

Embora as mãozinhas de um bebé sejam fofinhas, evite pegar nelas e, muito menos,  beijá-las, já que muitas vezes ele leva-as à boca, e o sistema imunológico do bebé não está totalmente desenvolvido para combater uma simples infecção.

 

2. Lave sempre as mãos

Assim que chegar à maternidade/casa da família, deve lavar de imediato as mãos. 

 

3. Não pegue no bebé

O contato com o bebé pode eventualmente contaminá-lo com algum germe. Quanto menor o contato menor a probabilidade de contaminação. As pessoas têm milhentos microrganismos que podem não lhes fazer mal, mas que não são benéficos para o bebé, o ideal é que o bebé contacte só com os microrganismos dos pais. Por isso, só pegue no bebé a não ser que a mãe peça ou se ofereça.

 

4. Se estiver doente, não vá

Mesmo que seja familiar próximo ou amigo chegado, nunca deve visitar o recém-nascido se estiver doente, a ideia de “não vou chegar perto” não é suficiente. Enquanto um adulto reage com ranho a uma constipação, o bebé pode desenvolver uma bronquiolite, ou algo bem mais grave!

 

5. Telefone antes de aparecer

Não apareça sem avisar. Se quiser fazer uma visita, confirme com os pais qual a melhor altura. Está provado que nos primeiros 30 dias a mãe está à beira de um ataque de nervos, exausta, por isso as visitas são de uma agressividade e de uma violência enormes. 

 

6. Nunca leve crianças

À exceção do agregado familiar, as crianças não devem estar com os recém-nascidos. Teoricamente, podem estar na presença dos bebés a partir do primeiro mês, mas com muitos cuidados porque estas, além de serem uma fonte de germes, é difícil controlar as suas acções... Num segundo metem a mão no nariz, no outro segundo estão a querer pegar no bebé...

O mesmo não se aplica aos irmãos do recém-nascido, que devem continuar a sentir-se incluídos na família e não excluídos...

 

7. Não tire Fotos

Evite tirar fotos para não invadir a privacidade da família, se quer fotografar pergunte antes para a mãe/pai se ela/ele não se importa. 

Fotos com flash, nem pensar.

 

8. Não Fume e Não use Perfume 

O olfato do bebé é muito sensível, sem falar na possibilidade que ele pode ter uma série de restrições, ainda não diagnosticadas. Por isso, expor a criança a cheiros desnecessários deve ser evitado. Não fume antes da visita e esqueça os perfumes fortes.

 

9. Não dê palpites, faça elogios

O cansaço, a ansiedade e as hormonas deixam as mães extremamente vulneráveis no período pós-parto, por isso, é importante que as visitas não dêem palpites ou sugestões, porque uma simples observação inocente, naquela altura, pode ter um efeito bastante negativo. O melhor mesmo é dar elogios.

 

10. É íntimo? Coloque a mão na massa! 
Se for próximo do casal, o melhor que pode fazer é ajudá-los em casa: lavar a louça, lavar a roupa, passar um aspirador no chão ou deixar uma comida pronta, são tarefas simples e que se acumulam por causa da chegada do novo elemento à família.

Também pode cuidar do bebé enquanto a mãe toma um banho ou faz uma refeição ou, então, cuide do filho mais velho, se fôr o caso.

Acredite, esses serão os melhores presentes que pode dar para ajudar o casal! 

ESTAR GRÁVIDA...

"É ler 50 vezes o resultado positivo do exame para ter a certeza que está correto.

É ficar chocada ao saber que uma gestação dura 40 semanas e não nove meses como toda a gente diz por aí. Que demora… São dez meses!!!

É sentir-se muito estranha…

E quem não sente nada de estranho, estranho é.

Muitas  hormonas, muitas mudanças, insegurança…

É sentir tudo o que se pode imaginar…

Sentir fome, muita fome! E ainda ter que se preocupar com o ganho de peso…

Ter sono, muito sono!!!

Acordar várias vezes de madrugada para fazer xixi.

Sem falar nos enjoos e na azia…

Não é a toa que grávida tem preferências!

É muito calor, depois frio, e mais calafrio.

E caimbrãs, dor na bacia…

O cabelo que não pode pintar.

O creme que não pode usar.

O remédio para as borbulhas... Nem pensar!

É ter também os medos: de ficar gorda pra sempre, de ter estrias, celulite, do peito cair, do peito doer, de não dar conta…

E o frio na barriga de pensar: será que vai nascer perfeitinho?

Rezar, e muuuuuuito, para que ele nasça perfeitinho.

Dar por nós imaginando, por horas a fio, como serão os olhos, os cabelos e a pele do bebé que vai nascer...

É esperar ansiosamente pelo dia da ecografia, e assim que sair de lá, esperar ansiosamente pela próxima!

Aprender a ver o bebé nas imagens da ecografia.

Ter uma vontade louca para comprar um aparelho igual e fazer em casa!!!

Cada ecografia, uma novidade.

Cada detalhe, uma alegria… Imensa, infinita!

Ler muito sobre gravidez, pular o capítulo do parto (pois ainda é muito
cedo pra se preocupar), mas ir direto para os cuidados com o bebé...

Ler na internet o desenvolvimento do bebé a cada nova semana.

Ir ao shopping e desejar apenas coisinhas para o bebé.

Ficar muito esquisita e descobrir uma incrível capacidade de sentir  todas as emoções numa hora, da alegria descontrolada ao mau humor sem fim.

Ter a fase do mau-humor e da felicidade que não tem tamanho.

É acreditar num Mundo melhor!

Gravidez tem de tudo um pouco, e cada pouco é um Mundo!

Gravidez é coisa esquisita:

É estranho demais!

É bom demais!!

É demais!!!" 

(Autor desconhecido)

IMG_0106.JPG

NÃO TENHA FILHOS

Numa das minhas "voltas" pelo Instagram encontrei este texto maravilhoso, escrito por um famoso colunista brasileiro, Marcos Piangers, que retrata uma realidade triste dos nossos dias: "a falta de tempo para os filhos"!

 

Gostei tanto deste texto que tinha que partilhar com vocês... Um texto que nos faz reflectir e que transmite uma mensagem importante, da forma mais simples e directa... Percam uns minutos do vosso precioso tempo e digam o que acharam desta palestra...

 

IMG_0089.JPG

"Não que eu seja o melhor palestrante de escola, mas o convite tem acontecido cada vez mais frequentemente. Não para palestrar para crianças, mas para pais. Algumas dão até o nome de Escola de Pais.

Parece que os pais estão perdidos, omissos, distantes. Eu falo por mais de uma hora, mas o que as escolas querem mesmo que eu diga é só uma coisa: vocês têm que participar mais.

Mas eu não tenho tempo, diz um pai. Estou na correria do dia a dia, diz outro. Mas tenho que pagar as contas, diz uma. Mas trabalho o dia todo e de noite tenho academia, diz outra.

ENTÃO, NÃO TENHA FILHOS.

Não tenha filhos se você não tem tempo, se tem muitas contas para pagar, se precisa ir na academia. Não tenha filhos se está muito cansado, se não tem saco para lidar com criança. Não tenha filhos.

Uma proprietária de creche contou-me que um pai chegou ao ponto de pedir para abrir a escola sábado e domingo, para ele deixar o filho lá no fim de semana também: “Trabalho a semana toda e no fim de semana preciso dormir”, disse ele.

ENTÃO, NÃO TENHA FILHOS.

Entendo que ter um filho tornou-se uma moeda social, algo para a gente tirar uma fotografia bonita e colocar no Instagram. Mas não tenha. Se não tiver tempo, paciência e dedicação, não tenha. Seja feliz sem filhos.

E se já tem, então crie. Crie com todo amor e carinho. Crie com menos gastos e mais tempo junto. Filhos exigem reorganizar tudo o que você estava fazendo. Dura uns vinte anos. Vai passar rápido. Quando você menos esperar eles crescem e vão embora. Dai você faz o que quiser. Se é para ter filho, só preciso mesmo dizer uma coisa: você precisa participar mais!"

SER MÃE DÓI

Ser mãe é a experiência mais forte, transformadora e engrandecedora que uma mulher pode experimentar, mas ser mãe também dói, faz-nos sofrer, corta a nossa carne e o nosso coração. Parece que, como nunca, na maternidade se faz valer aquele ditado “no pain, no gain” e vivemos isso todos os dias, do nascer até o pôr do sol e do pôr do sol até ao nascer novamente. 

 

Dói quando vemos o nosso corpo transformar-se, quando sentimos o corpo dividir-se em dois para trazer uma nova vida, quando as nossas hormonas entram em ebulição. 

 

Dói ver a dor da cólica, a dor dos dentes a nascer, a dor da primeira rejeição. Dói quando não podemos dormir uma noite inteira de sono, quando temos que nos levantar da cama muitas mais vezes do que aquelas que gostaríamos, quando não descansamos por meses a fio. Dói muito quando eles ficam doentes, quando não sabemos o que eles têm, quando eles se põem a chorar... 

 

Dói não podermos fazer mais o que fazíamos antes, não ter tempo para ir ao cinema, não conseguir nem tomar um café... Dói não poder mais chegar a casa e ver televisão de pijama, deitada no sofá, não poder dormir e acordar à hora que bem entendermos, não ter mais o direito de ir e vir sem se preocupar com todo uma logística por trás. 

 

Amamentar dói, não amamentar dói mais ainda... Dói quando o filho não come, quando ele insiste em fazer birras, quando ele faz o contrário do que gostaríamos... Dói quando não sabemos se estamos no caminho certo, quando não temos certeza se estamos a ser uma boa mãe... Perguntamo-nos se tudo é mesmo tão difícil, tão complicado, tão desafiador...

 

Dói quando nos sentimos culpadas (e nós culpamo-nos por quase tudo), quando as pessoas nos culpam, quando nos vemos julgadas. Dói ouvir palpites a todos os momentos, ouvir críticas da forma como estamos a criar, do nosso jeito de educar... Dói quando alguém dá algo para o nosso filho comer sem pedir a nossa autorização, quando nos desautorizam, quando fazem pouco caso às regras que consideramos importantes...

 

Dói, e dói muito, dói acima de tudo o medo que ser mãe traz. O medo do futuro, o medo da violência, o medo que o nosso filho venha a sofrer... Nós, mães, gostaríamos de poder protegê-los para sempre, assim como fazemos quando eles são bebezinhos, mas isso não é possível... Eles são do Mundo! E dói saber que eles são do Mundo, porque um dia vão-se embora, deixam a nossa casa e deixam a convivência diária para trás.

 

Dói pensar que um dia os abraços não serão mais tão frequentes, o sorrisos poderão ser só de final de semana e um telefonema poderá ser o que de mais próximo teremos por semanas ou até meses. Dói pensar na saudade, na falta, na ausência... Dói pensar que o Mundo os levará para longe sem dó nem piedade e isso faz parte da vida, faz parte da existência, faz parte do seu crescimento e realização!

 

Dói só de pensar em toda essa dor, de pensar nas coisas que ainda nem passamos, mas dói acima de tudo pensar que poderíamos passar pela vida sem ter experimentando toda essa força pulsante que é ser Mãe!

 

Se por um lado dói, e dói muito, dói nas pequenas e nas grandes coisas, por outro, como eu disse lá no início, também enaltece, engrandece, completa. Ser mãe é viver uma montanha russa de experiências e emoções, encher-se e fartar-se do maior amor do mundo, mas também saber que ele vem acompanhado de preocupações, de entregas, de perdas e de desafios...

 

E longe de mim dizer que toda essa dor não vale a pena. Vale sim. Vale cada suspiro dado, cada lágrima derramada, cada pingo de suor que cai. Vale a dor da carne, da alma e do coração, porque Amor de Mãe é o sentimento mais forte que alguém pode experimentar e nada substitui essa experiência. Nem de longe!

(Texto retirado e adaptado do site macetesdemae.com)

IMG_9762.JPG

Feliz Dia das Mães ❤️

MAMÃ DE PRIMEIRA VIAGEM

1. GRAVIDEZ

Agora é Oficial

- Tem Gente Nova a Chegar (ideias para anunciar a gravidez)

- Mensagem da Cegonha (ideias para anunciar a gravidez)

Porque razão a Gravidez é contada em semanas

A Gravidez em 3 fases

Grávida não devia ficar doente nunca!

Restrições alimentares na Gravidez

It's a Boy

20 Semanas de Amor

- Está escolhido! (o nome do bebé)

- A lista de roupinha do Gui (a roupa essencial a comprar para o bebé)

- O coraçãozinho do Gui (ecodoppler fetal)

O essencial para um quarto de bebé

Papá, Mamã, já vos consigo ouvir!

- Ecografias na Gravidez (número de ecografias a fazer)

- Mas esta lista não tem fim? (o essencial a comprar para o bebé: exterior/passeio; produtos para o banho/higiéne; alimentação materna/artificial; outros)

- A culpa é da Placenta (tudo o que precisa de saber sobre a placenta)

- Chutinhos de Amor (o primeiro chutinho do Gui)

- Tenho o Rei na Barriga (6 meses de gravidez)

- Flores de Portugal (A Primeira Roupa que o Gui vai vestir)

O Berço do Gui

- Na Recta Final (início do último trimestre da gravidez)

As Primeiras Calças de Grávida

- O Factor Rh na Gravidez (quando a grávida é Rh negativo e o pai Rh positivo)

- O Doce que Amargou (prova de tolerância oral à glicose, despiste de diabetes na gravidez, diabetes gestacional, factores de risco...)

- Plano Alimentar para Grávidas com Diabetes Gestacional (primeira consulta de endocrinologia)
- Feira de Bebés em Paris (Salon Baby 2016)
- Segunda Consulta de Endocrinologia - Diabetes Gestacional (consultas via email)
Novidades do "Salon Baby Paris 2016" (radio para bebés, Epi-No Delphine Plus - o aparelho que fortalece o assoalho pélvico...)
Mala de Maternidade (o que levar para a maternidade, truques na hora de preparar a mala...)
- Dia dos Bebés (2 de Maio)
Baby Shower do Gui (35 semanas de Gravidez)
- A Nossa Sessão Fotográfica (sessão fotográfica de grávida) 
- Aleitamento Materno - Parte 1 (benefícios do aleitamento materno, alimentação da mãe durante a amamentação, e as Etapas da formação do leite materno)
Aleitamento Materno - Parte 2 (quantas vezes deve comer o bebé, como saber se o bebé mamou o suficiente, e cuidados gerais a ter com as mamas)
Aleitamento Materno - Parte 3 (cuidados específicos às complicações da amamentação e posições para amamentar)
- O Primeiro retrato do Gui (a primeira ecografia)
 
 
 
2. QUANDO O BEBÉ NASCE... AO PRIMEIRO ANO
O Primeiro mês do Gui (os primeiros 30 dias de vida)
O segundo mês do Gui (do primeiro até ao segundo mês)
O terceiro mês do Gui (do segundo até ao terceiro mês)
Osteopatia para Bebés (como funciona, indicações...)
- Vida de Mãe (humor) 
- A vida muda para sempre (pensamento)
- O quarto mês do Gui (do terceiro até ao quarto mês)
- Comida enlatada? (Introdução alimentar)
- O quinto mês do Gui (do quarto até ao quinto mês)
- A Primeira Sopa (regras, receita...)
- Um Nascimento, uma Árvore! (Iniciativas da Câmara Municipal...)
- O sexto mês do Gui (do quinto até ao sexto mês)
- O sétimo mês do Gui (do sexto até ao sétimo mês)
- Viajar sozinha de Avião (o meu testemunho)
- O oitavo mês do Gui (do sétimo até ao oitavo mês) 
Férias de Mãe  (humor)
A Alimentação no Primeiro Ano de Vida ( dos 0 meses até aos 12)
A vida vai mudar (coisas de mãe, amas...)
Coisas de Mãe (comer sozinho...)
O sono dos Bebés (quando os bebés dormem pouco...)
- Coisas de Mãe (humor)
- A amamentação na primeira pessoa (do início ao fim)
- Coisas de Mãe (na hora de comer - humor)
- Coisas de Mãe (fotografias - humor)
O Primeiro Aniversário do Gui (Festa Minions)
 
 
3. DO PRIMEIRO AO SEGUNDO ANO
- A mim não me enganam (telecomandos)
- Coisas de Mãe (já sei marcar cestos)
- Coisas de Mãe (brinquedos - humor)
- Dia Mundial do Sorriso (o primeiro sorriso do Gui)
- Tampões... (humor) 
- Coisas de Mãe (bâton - humor)
- Coisas de Mãe (cai neve...)
- Coisas de Mãe (na casa-de-banho - humor)
- A idade da imitação (no dentista)
- Com Amor (o segundo Doudou do Gui - surpresa boa)
O Segundo Aniversário do Gui (Festa Mickey Mouse)
 
 
 
4. DO SEGUNDO AO TERCEIRO ANO 
 
- Dia dos Avós (datas)
- Coisas de Mãe (o Gui e as frutas...)
- Coisas de Mãe (humor no wc)
- Pê de Pai (Dia do Pai)
- O Terceiro Aniversário do Gui (Tema: Patrulha Pata)
 
 
 
4. DO TERCEIRO AO QUARTO ANO
- O Primeiro dia de Escola do Gui (école Maternelle)