Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

VOCÊ SABIA?

IMG_0923.JPG

Eu descobri isso depois que fui mãe... E vocês?!

COISAS DE MÃE

Esta é a imagem que retrata o Gui cada vez que lhe pedimos para fazer alguma coisa... 

IMG_0624.JPG

Confesso que às vezes até tem uma certa graça, mas há outras vezes que é preciso respirar fundo e contar até 100!

O MARTIN FEZ 8 MESES

O Martin completou 8 mesinhos na passada terça-feira, exactamente no dia em que a França colocou o país de quarentena obrigatória... Mas falemos de coisas bem mais animadoras...

 

Fomos ao Pediatra, um dia antes, e ficamos a saber que pesa 9.200gr e mede 73 cm. Segundo ela, o Martin tem o peso e o tamanho de um bebé de 1 ano!

 

Cada vez mais fofo e cheio de energia, o Martin começou a ficar mais "refilão" e exigente... Começou a mexer-se muito mais, tanto que, não gosta de estar muito tempo no mesmo sítio, e quando se cansa de estar no chão ou na cadeira, começa a gritar e a agitar os bracinhos para pedir colinho.

 

Já consegue ficar sentado sozinho, e rolar sobre si próprio. Começou a tentar rastejar, por isso deixá-lo sozinho está completamente fora de questão... Se estiver apoiado com alguma pessoa, consegue ficar algum tempo de pé. 

 

Descobriu que os brinquedos (e não só) são óptimos para atirar ao chão pois fazem imenso barulho, por isso quando está sentado na cadeira passa o tempo a atirar tudo ao chão e fica a olhar para o chão para ver se consegue lançar-se ao chão para os ir buscar.

 

Este mês apareceu o terceiro dentinho, o primeiro de cima, e em breve o quarto estará cá fora. Com isto, o sorriso do Martin está cada vez mais giro. Tentamos dar-lhe a primeira bolacha, e ele ficou tão entusiasmado que só queria trincar a bolacha em pedaços... Escusado será dizer que nos pregou um susto, pois tivemos que lhe tirar o pedaço da bolacha da boca e a partir daí começamos a partir a bolacha em pedacinhos bem pequeninos para ele começar a adaptar-se... A parte má dos dentinhos é que ele sofre imenso com isso, tanto que falamos com a Pediatra para saber se podíamos aliviar esta dor, e ela prescreveu um medicamento homeopático. 

 

Outra novidade foi a descoberta da pilinha, sempre que está no banho lá vai ele explorar esta parte do corpo.


Quanto à alimentação, o que mudou foi a introdução da sopa duas vezes ao dia, ao almoço e ao jantar, e a introdução de alguns alimentos sólidos (bolacha e pão). E se antes estranhava um bocadinho a sopa, agora adora comê-la, tanto que assim que chega a hora de comer fica todo contente e começa a gritar para lhe darmos logo... As bolachas foram fáceis de introduzir na alimentação, não tivemos qualquer dificuldade em relação ao paladar, pois adorou. Tentamos também o pão, três vezes, mas ele não gostou muito da consistência pois assim que lhe damos um pedacinho, tenta cuspir e começa a tossir.

 

No que diz respeito à amamentação o padrão de alimentação diurno alterou-se, de dia mama cerca de duas a três vezes, uma de manhã e  mais uma ou duas vezes à tarde. Nas noites a rotina pouco se alterou, continua a acordar a cada 2 ou 3 horas para comer. 

 

E perguntam vocês agora... E o que é que o Martin mais gosta?

O Martin vibra com a presença do Gui, delira com a hora de comer e do banho, adora ficar nu, tem um fascínio por cabelos (adora puxar cabelos), adora tocar no nosso rosto (fica tão contente que temos que ter cuidado, pois chega-nos a arranha sem querer) e começou a gostar muito mais de colo pois descobriu que dessa forma pode explorar melhor o mundo... Adora que lhe façam cócegas, adora jogar às escondidas, tem um fascínio pelos brinquedos do Gui, vibra com telemóveis e microondas, e adora tirar fotografias.

E o que é que o Martin não gosta?

Não gosta de estar muito tempo sozinho, não suporta estar com fome, não gosta de adormecer no colo (prefere adormecer no berço, pois lá consegue ter o espaço dele sem se sentir apertado), não gosta que o ignorem, não suporta ter a fralda com cocó, não gosta muito de dormir (faz cerca de duas sestas de dia, cada uma de 30-40 minutos) e não suporta que lhe tirem nada das mãos (principalmente quando ele está todo entusiasmado a brincar).

 

E é desta forma que o nosso Bonequinho se vai desenvolvendo, a um ritmo verdadeiramente alucinante... É estranho como, num segundo filho, o tempo parece passar ainda mais depressa... Por isso, temos procurado aproveitar o máximo dos máximos para que possamos ter recordações maravilhosas...

IMG_20200323_012029_016.jpg

A MATERNIDADE SELECCIONA OS AMIGOS

A maternidade muda mesmo muita coisa na nossa vida, atrevo-me a dizer que nos torna mais solitárias... De repente o bebé nasce, e os amigos aparecem, mas no mesmo instante desaparecem também... O marido recomeça a trabalhar, e aqui, isso acontece logo ao fim de três dias... E de repente, ficamos sozinhas, com um bebé pequenino que depende 100% de nós e que precisa da nossa atenção 24 horas por dia, 7 dias por semana... Nesse momento, deparamo-nos com a solidão... Falo dos amigos... Há amigos que ficam, outros que vão e outros que chegam... 

 

Descobri que as amizades mudam depois da maternidade... Depois de sermos pais tudo muda, e há alguns amigos que não vão perceber isso, principalmente por ainda não terem filhos.

 

Mas será que podemos ser as mesmas depois de sermos mães? 

Os nossos horários deixam de ser nossos e passam a ser geridos em função do bebé... Se tem que mamar, se está a dormir, se está com cólicas, se está sujo, se está a chorar, se está cansado, se tem que tomar banho ou está doente... E de repente, não podemos ir aquele almoço, chegamos atrasados àquele evento importante ou simplesmente cancelamos no último minuto... Certo é que nós próprias mudamos, somos obrigadas a deixar para trás certos hábitos de uma vida a dois, deixamos de estar sempre disponíveis e estabelecemos novas metas e prioridades... Tudo em função daquele ser pequenino... Dificilmente os amigos que não têm filhos compreendem isso e até criticam o "poder" que o bebé "exerce" sobre os pais... E nós, claro, ficamos tristes com a falta de compreensão desses amigos...

 

Depois esse bebezinho cresce, ganha um irmãozinho e os amigos afastam-se mais... Se até ali não tínhamos muito tempo, depois passamos a ter bem menos... Se até ali a nossa vida girava em função de um bebé, depois passa a girar em função de dois... Se com um bebé os amigos não compreendiam a nossa mudança nos nossos hábitos de vida, com dois passa a ser pior...

 

Mas nem tudo é mau... Há amizades que vão querer ficar... E essas pessoas até podem estar longe, mas vão estar presentes, e vão enviar mensagens a perguntar como estás, e vão te ligar em video chamada mesmo que tu só possas atender à terceira ou quarta tentativa... E por incrível que possa parecer, aqueles amigos que já são pais e que estavam mais afastados, aproximam-se... E começas a recuperar essas amizades... Depois, ainda surgem pessoas que vimos poucas vezes na vida, ou que até nunca vimos, e que começam a conversar connosco virtualmente sobre temas da maternidade, como se fossemos amigas de infância... Quem é mãe sabe do que falo... Só uma mãe é que compreende realmente outra mãe...

 

Acredito que a maternidade não afasta os amigos, apenas os seleciona... Felizmente, ainda existem pessoas que nos vão compreender e vão escolher manter-se ao nosso lado, independente desta nossa mudança de vida... Desta nossa correria, do nosso pouco tempo disponível, e da nossa "ausência"…

 

Por muito que nos custe que alguns amigos se afastaram, sabemos que a vida é mesmo assim, um comboio cheio de chegadas e partidas, onde não sabemos quem vai subir ou descer na próxima estação... Quem sabe se um dia aqueles amigos que se afastaram vão tornar a voltar, assim que forem pais, talvez nesse dia eles vão reconhecer que a maternidade muda a vida completamente!

IMG_0876.JPG

COLECIONANDO MEMÓRIAS ♥️

O meu Pai tinha programado ir a Portugal uns dias, e nós queríamos aproveitar o momento para fazer uma surpresa aos avós... Havia apenas o inconveniente de não podermos andar em loucuras, até porque eu não estou a trabalhar... O R. andava sempre a dizer que nós havíamos de ir, e claro que eu até gostava da ideia... Um dia o R. fez uma pesquisa e as viagens de avião estavam baratas para o mesmo período que o meu pai ía, e disse-me para irmos os 3, pois ele não tinha férias para nos acompanhar... E nesse dia assim fizemos, compramos os nossos bilhetes de avião, pela TAP, apenas com duas malas de mão, duas malinhas de 8kg para mim e os meus dois Bonequinhos... O R. ainda me disse que era uma loucura da minha parte ir apenas com duas malas de mão, mas eu decidi arriscar... 

 

Tinha a experiência da nossa primeira viagem a 3, no Natal, que até tinha corrido bem... No dia anterior, fiz as malas, seleccionei o que era realmente indispensável para levar, avisei na escolinha do Gui que ele ía estar ausente uns dias e informei o Gui que íamos viajar (não lhe disse antes pois corria sérios riscos dele contar aos avós)... Depois, com a ajuda da minha irmã mais nova e do meu cunhado, arranjamos um plano para eles nos irem buscar ao aeroporto e a minha mãe aparecer na casa deles... 

 

E assim foi na quarta-feira passada... Apanhamos o avião às 7h, a TAP não colocou qualquer problema em mandar as nossas malas de mão para o porão... Desta vez, além do Sling, levei também um carrinho de bebé... E foi assim que embarcamos na nossa nova aventura a 3... Eu, o Gui, o Martin, um carrinho de bebé, um sling, uma mochila às costas e duas malas de mão...

 

Foi a viagem de avião mais atribulada de sempre, não pelo Gui nem pelo Martin, mas pelas situações que aconteceram durante o voo, mas isto ficará para um próximo post... Só posso dizer que a equipa da TAP foi 5 Estrelas, e nós acabamos por ter uma viagem impecável a 3...

IMG_20200306_181015_224.jpg

Chegada a hora da surpresa, escusado será dizer que foi muito bom ver o sorriso no rosto, estampado na cara de cada pessoa, assim que nos viram... Agora é rentabilizar o tempo da melhor forma possível, pois sabemos que ele passa depressa demais...

EXTRAIR E CONSERVAR LEITE MATERNO

Quando se está grávida, pouco antes do parto, começamos a sentir transformações no corpo que nos preparam para a grande mudança, e o aumento dos seios é um desses sinais. Mas é quando o bebé nasce que se dá a transformação total...


Numa fase inicial, os seios começam por produzir o colostro, que se transforma mais tarde num leite maduro, por volta das 4 semanas de idade. Nesta fase, muitas mulheres produzem uma grande quantidade de leite, fruto da adaptação do bebé a esta nova realidade. Tal irá continuar a acontecer até que o bebé consiga estabelecer uma rotina alimentar. É preciso estar ciente que a produção de leite é o resultado direto da estimulação das mamas daí a importância de colocar o bebé na mama, numa fase inicial, a pelo menos cada 3 horas.

IMG_0886.JPG

Quando o leite materno começa a ser produzido numa quantidade superior ao que o bebé precisa é necessário retirar o excesso de leite, manualmente ou de forma mecânica, de forma a que os seios não fiquem demasiado cheios. Na extração manual, como o próprio nome indica, o leite é extraído com a ajuda das mãos. Para começar o processo, é fundamental estar bem relaxada, devendo ser feita após um banho ou aplicando panos mornos à volta da mama. Em seguida, e com as mãos limpas, deve-se massajar os seios, no sentido do peito para a auréola. Por último, segura-se o peito com uma mão e com a ajuda dos dedos da outra mão aperta-se em direção à auréola. Na extracção mecânica utiliza-se uma bomba, que pode ser mecânica ou elétrica. 

 

A extração de leite também pode ser necessária noutras circunstâncias, entre elas:
- para dar leite materno ao recém-nascido quando se está separado dele;
- para aumentar a produção de leite;
- ou para prevenir a congestão mamária. 

 

O leite materno extraído é o melhor alimento para o bebé por isso podemos conservá-lo e utilizá-lo numa altura que nos faça falta. Para essa recolha, existem normas a cumprir para que este conserve todas as suas propriedades, entre ela:

 

1. Cuidados de higiéne

Lavar sempre as mãos antes e depois da extração do leite e lavar todas as peças da bomba de extração que tenham estado em contacto com o leite ou com a boca do bebé. Todas as peças devem secar completamente e guardadas num saco ou recipiente limpo até à próxima utilização.

 

2. Escolher o melhor método para conservar leite materno

Se pudermos escolher, o leite materno recém extraído é preferível ao refrigerado e o refrigerado é melhor do que o congelado. Isto acontece porque o leite materno recém extraído tem as melhores propriedades para o combate às bactérias e um teor mais elevado de antioxidantes, vitaminas e gordura do que o leite refrigerado ou congelado.

 

3. Ter atenção o tempo de conservação do leite materno extraído

Depois do leite materno ser extraído, este pode ser conservado à temperatura ambiente, no frigorífico ou no congelador, dependendo de quando se pretende utilizar. No entanto existem prazos de validade a cumprir.

    3.1. Conservação no frigorífico

O leite deve ser colocado no frigorífico tão rapidamente quanto possível depois da extração e deve ser colocado em frascos para leite materno ou em sacos para conservação próprios (que se compram nas farmácias). Podem ser acrescentadas pequenas quantidades de leite extraído ao mesmo recipiente refrigerado, desde que o leite que quer juntar tenha sido previamente arrefecido no frigorífico. Nunca se deve juntar leite à temperatura corporal a leite já arrefecido.

O leite deve ser conservado na zona mais fria do frigorífico – na parte de trás, na prateleira por cima do compartimento dos legumes. Nunca o coloque na porta do frigorífico, onde a temperatura é menos constante. 

Pode ser conservado durante 48horas, a uma temperatura de 4°C.

 

    3.2. Conservação no congelador

Deve-se congelar o leite materno tão rapidamente quanto possível depois da extração. Também aqui se pode acrescentar leite extraído a leite materno já congelado, desde que o leite que quer juntar tenha sido previamente arrefecido no frigorífico. Nunca se deve juntar leite à temperatura corporal a leite congelado.

Para evitar desperdício na hora de descongelar, o ideal é conservar o leite em porções pequenas (60 ml no máximo ). Na hora de descongelar, se precisar de uma dose maior é só juntá-las depois de descongeladas.
Os recipientes a utilizar deverão ser adaptados, existem frascos e sacos de conservação que se comercializam para esse efeito.

Não encha os recipientes até cima, 3/4 é o suficiente, pois o leite depois de congelado expande-se.

Conserve o leite na parte de trás do congelador, onde a temperatura é mais constante, mantendo-o afastado das paredes de congeladores com autodescongelação. 

No congelador, pode ser conservado durante 4 meses, a uma temperatura de -18°C.

 

Sempre que refrigerar ou congelar leite materno, deve ser colocada uma etiqueta nos recipientes com a quantidade e a data em que o leite foi extraído, de forma a controlar as validades dos mesmos.

 

4. Ter atenção a forma como vamos utilizar o leite materno extraído

O leite materno conservado vai separar-se em camadas, ficando a gordura no topo, por isso deve-se agitar suavemente o recipiente de forma a misturar as camadas, antes de alimentar o bebé. Agitar vigorosamente ou abanar pode danificar alguns dos componentes nutricionais e protetores do leite.

Quando o seu bebé se alimenta do leite materno extraído, com um biberão ou um copo, é natural que passem bactérias da boca dele para o leite, por este motivo, é recomendado deitar fora qualquer sobra de leite, uma a duas horas depois.

    4.1. Utilizar leite materno congelado

Os bebés saudáveis de termo podem beber leite materno à temperatura ambiente ou aquecido até à temperatura de 37 °C ( temperatura corporal).

Se o leite estiver refrigerado e pretende que fique mais quente, coloque o recipiente numa taça com água a morna durante alguns minutos até estar à temperatura de 37 °C. Se preferir, pode utilizar também um aquecedor de biberões. 

O leite materno congelado pode ser descongelado no frigorífico, entre 6 a 12 horas. Em alternativa, pode-se colocar o recipiente onde o leite foi congelado sob água morna corrente, a um máximo de 37 °C (temperatura corporal). Não é aconselhável descongelar  o leite materno à temperatura ambiente, num micro-ondas ou em água a ferver.
Depois de completamente descongelado, o leite materno pode ser mantido à temperatura ambiente durante duas horas, no máximo, ou no frigorífico durante até 24 horas.

 

Com estas informações fica bem mais fácil extrair e conservar o leite materno quando é necessário! Por isso, se tiver alguém que possa estar a precisar de esclarecer algumas dúvidas, partilhe este post, pode ser que esteja a ajudar uma mãe...

O MARTIN FEZ 7 MESES

Nem imaginam como me sinto quando penso que o Martin já completou 7 mesinhos... Foi na segunda-feira dia 17 de Fevereiro... 

 

A consulta do sétimo mês, aconteceu praticamente ao 6 meses e meio, e nessa altura pesava 8kg700gr e media 72cm. 

 

É incrível como o Martin continua parecido com o Gui... Continua super risonho e bem disposto, lança gargalhadas contagiantes e está sempre a desafiar o mano para brincar. Aprendeu a gritar e palra imenso. Estranha um bocadinho algumas caras, mas basta uns minutinhos de brincadeira e sorrisos para estar à vontade. Continua fascinado com o mano Gui que passa a vida a brincar com ele e faz de tudo para lhe arrancar umas gargalhadas. 

 

Adora tirar fotografias com a máquina fotográfica, coloca o seu melhor sorriso, e resmunga se ligamos a máquina e começamos a tirar fotografias sem o incluir. À conta disto, o Gui recomeçou a adorar que lhe tirem fotos também, sobretudo quando se trata de tirar com o mano. 

 

Continua a adorar que lhe façam cócegas, tem imensas na barriga,  debaixo do pescoço e dos braços. 

 

Mantém-se encantado pelos seus pés e mãos, por isso sempre que pode põe-se a brincar com eles. Já consegue rolar sobre si próprio... Facilmente se coloca de barriga para baixo, mas para se colocar novamente com a barriga para cima ainda tem um bocadinho de dificuldades por causa do braço que ainda não o consegue colocar na posição ideal... Sentado, consegue controlar melhor a sua postura embora ainda não consiga ficar completamente sozinho, sem qualquer apoio, não falta muito para o conseguir fazer. Por isso, se já era complicado deixá-lo um segundo sozinho, agora fica quase impossível... 

 

Descobriu que os brinquedos fazem imenso barulho, principalmente quando são atirados para o chão por isso, sempre que pode, lá vai um brinquedo para o ar. 

 

Quanto a alimentação tem mudado a pouco e pouco... Neste mês, a sopa do Martin passou a levar carne (experimentou frango, coelho, perú, vitela e carne de vaca), e começou a comer também peixe. Não gostou do sabor da carne de vaca, por isso não voltei a insistir, e adorou o sabor do peixe.

A fruta continua a comê-la sempre no fim da sopa, coisa que ele adora! Já experimentou pêra, maçã e banana, e nunca teve cólicas com nenhuma delas. 

Quanto aos legumes, daqueles que experimentou, não tolerou a alface e ervilhas, ficou com imensas cólicas. Não gostou também do sabor do repolho, por isso desisti de o colocar na sopa, pois sempre que o colocava comia menos.

Ao contrário do Gui, o Martin prefere comer fruta e não sopa, fica tão eufórico que quando vê o prato parece que ainda não comeu nada antes. 

 

Continua a mamar de 2 em 2 horas, sendo que depois da sopa e da fruta espera apenas 1 hora para mamar! Nas noites a rotina não se alterou, continua a acordar a cada 2 ou 3 horas para comer... Apesar disso, não tem aumentado muito de peso pois está muito mais enérgico e mexido, tanto que durante o dia as sestas diminuíram, faz 2 ou 3 sestas que podem ir de 20 a 40 minutos. 

 

A grande novidade deste mês foi o aparecimento dos primeiros dois dentinhos, em baixo, aos seis meses e meio... À conta disso o Martin teve umas três ou quatro noites bem difíceis... Ele e nós... O mais giro é que o seu sorriso começa a ficar cada vez mais irresistível!  

 

Agora é continuar a aproveitar cada minutinho deste Bonequinho Super Fofo...

IMG_0860.JPG

CONHECE A REDINHA DE FRUTAS?

IMG_0829.JPG

A primeira vez que utilizei este utensílio foi com o Gui, tinha ele uns 7 mesinhos, prendinha dos padrinhos quando completou 6 mesinhos... Ontem decidi experimentar com o Martin, por isso achei que seria útil falar deste utensílio uma vez que não o fiz quando o experimentei pela primeira vez...

 

Mas afinal, o que é uma "redinha de frutas"?

Os nomes podem variar mas basicamente trata-se de um utensílio em plástico utilizado para a introdução de pedaços de frutas na alimentação do bebé. Nesse utensílio, existe uma redinha onde é introduzido um pedaço de fruta, que depois de fechada, oferece-se ao bebé. O bebé ao chupar na redinha vai comer a fruta.

 

Quais são as vantagens e as desvantagens da sua utilização?

Os fabricantes afirmam que diminui o risco do bebé se engasgar com um pedaço de fruta, facilitando o início da ingestão de alimentos sólidos e, desta forma, estimulando o consumo de frutas e de uma alimentação saudável.

Em contra-partida, os especialistas dizem que um dos pontos mais importantes do início da alimentação sólida do bebé é ele entrar em contato com as diversas texturas das frutas, de maneira a despertar a sua curiosidade, o paladar e a vontade de comer. Por isso, se colocamos as frutas na redinha, o bebé irá ter apenas oportunidade para conhecer novos sabores. 

 

Querem saber a minha opinião?

Pessoalmente acho que este utensílio é bastante útil numa fase inicial, por volta dos 7 meses, para que o bebé possa ter um acesso fácil aos diferentes sabores das frutas.

Além disso, torna-se uma mais valia quando o bebé tem aquela vontade insaciável de meter tudo à boca pelo desconforto que sente nas gengivas, quando os dentinhos começam a querer nascer. Neste caso, colocar fruta fria dentro da redinha vai ajudar a acalmar a dor, pois a temperatura mais baixa ajuda a anestesiar a dor.

Na minha opinião, o importante é nunca utilizar este utensílio por muito tempo... Um mês é mais que suficiente, para que depois o bebé não sinta dificuldades quando tiver que entrar em contato directamente com a fruta. 

Esta é a minha opinião, baseada na minha experiência, se tiver dúvidas, o melhor é falar com o Pediatra do seu bebé para que possa discutir e esclarecer as duas dúvidas porque cada bebé tem o seu ritmo de desenvolvimento...

 

E vocês, conheciam este produto? 

 

O QUE FOI MAIS DIFÍCIL NO INÍCIO?

IMG_0748.JPG

Quando o Gui nasceu o mais difícil foi, sem dúvida alguma, amamentar, seguido das cólicas...

Amamentar foi o mais complicado pois achava que iria ser um processo bem mais expontâneo e evidente. No primeiro mês, desistir passou-me pela cabeça umas centenas de vezes, pois além do cansaço e da dor, tive imensas dúvidas se estaria a alimentar suficientemente o Gui. O Gui demorava imenso tempo a mamar e mamava a cada duas horas, tanto de dia como de noite... Mas o pior aconteceu foi quando aos dois meses e meio tive uma mastite na mama direita que evoluiu para um abcesso. Foram 15 dias horríveis, cheia de dor... Coloquei tudo em questão, pensei em desistir de amamentar, mas mesmo com o abcesso, e com um dreno na mama, continuei a amamentar até ao máximo de tempo que me foi permitido. 

As cólicas com o Gui também foram terríveis, pois ele chorava imenso e não havia nada que o acalmasse... Lembro-me como se fosse hoje... Até aos 6 meses foi terrível vê-lo sofrer tanto! 

Com o Martin, amamentar foi o mais difícil, pois mesmo sendo mãe de segunda viagem, os primeiros 15 dias foram complicados pois tive muita dor por causa dos mamilos rachados e do ingurgitamento mamário.

E mesmo com as dificuldades que surgem, é óbvio que no final tudo vale a pena!

E por aí, como foi com vocês?!

 

 

O PRIMEIRO BANHO A DOIS 💙

Quando o Gui tinha 7 meses, compramos a cadeirinha do banho para ele poder ficar um bocadinho mais autónomo e brincar mais na água... O sucesso tinha sido total, o Gui gostava muito, por isso estávamos ansiosos por colocar o Martin também.

 

Ontem, perguntamos ao Gui se queria tomar banho com o mano na banheira, pela primeira vez...  Com um ar duvidoso respondeu que sim... Penso que ele achava que era uma brincadeira, até porque o Martin ainda não se consegue segurar sentado por muito tempo, mas assim que viu a banheira com água e a cadeirinha do banho lá dentro, esboçou um grande sorriso e saltou de imediato para dentro... Foi mesmo giro ver a alegria dos dois... Tanto um como outro, ADORARAM partilhar a banheira. O Gui gostou tanto que hoje, assim que chegou da escola e acabou de lanchar, pediu para ir tomar banho com o mano!  

IMG_0756.JPGE vocês, conheciam esta cadeirinha?

TEM UM POUCO MAIS DE CALMA

"Um dia quando deres por ti os teus filhos já terão 10 anos. E depois 20. E de repente já são pais, e estão semelhantes a ti neste preciso momento. A perder as estribeiras, mas ao mesmo tempo a verem o tempo passar depressa demais com os seus próprios filhos. 

Por isso, tem um pouco mais de calma.

Deixa-os escaparem-se para a tua cama a meio da noite mesmo que já não consigas dormir a partir daí. 

Conta-lhes aquela história que já contaste 50 vezes antes de irem dormir, mesmo que já estejas esgotada.

Dá-lhes um abraço apertado, mesmo que o cansaço já se tenha abatido sobre ti.

Põe aquela música que eles tanto gostam e dança com eles, deita todos os problemas para fora.

Da-lhes colo um pouco mais, mesmo que as tuas costas já doam, e os teus braços já estejam dormentes.

 

Porque criar os nossos filhos leva-nos à exaustação, faz-nos perder a sanidade mental, vira-nos a vida do avesso! Mas é na maternidade que descobrimos que afinal o avesso é o nosso lado certo.
Por isso, aproveita um pouco mais, enquanto eles não são grandes demais!"

(Texto #MaternidadeDeCabelosEmPé)

IMG_20200109_224255_926.jpg

❤️ Quem concorda?!  ❤️

A PRIMEIRA VIAGEM A 3

Desculpem a minha ausência mas já devem ter reparado que estamos de férias em Portugal, desde segunda-feira... Hoje venho contar a nossa primeira aventura a 3, a nossa primeira viagem de avião, eu, o Gui e o Martin...

 

Começamos por preparar o Gui umas 3 semanas antes da viagem, volta e meia falávamos das nossas férias de Natal a Portugal, que nós os 3 íamos primeiro e depois ía o papá... Fazíamos questão de lhe dizer que o mais importante era portar-se bem e ajudar a mamã com o Martin, pois o Martin iria no colo, e ele teria que ser muito, muito, forte pois teria que andar sempre a pé e se tivesse sono só poderia dormir no avião...

 

No  dia anterior à viagem, o Gui estava em pulgas, passou o dia a perguntar se era "agora" que ía para o aeroporto... Estava ansioso por chegar a Portugal. O vôo estava previsto para as 6h da manhã, sabíamos que não íamos dormir muito e sabíamos também que era impossível o Gui ir dormir mais cedo do que o habitual. Fizemos as malas, jantamos, tomamos banho e dissemos ao Gui que tínhamos que dormir um bocadinho para dali a um tempo acordarmos para apanhar o avião... Fiz questão de lhe dizer que o avião não esperava por ninguém, que havia um tempo a cumprir, por isso não valia a pena fazer birras pois corríamos o risco do avião levantar vôo sem nós...

 

Eram 3h quando acordamos o Gui, nesse dia nem um "ai" deu, e num tempo record, ficou pronto para sair... Era impressionante ver a vontade dele em fazer tudo direitinho, tal como tínhamos combinado... Faltava agora saber como seria no aeroporto...

 

Infelizmente, nessa noite, o Martin acordou com imensas cólicas, comeu à meia-noite e a partir daqui chorou até às 2h... Eu e o R. não dormimos praticamente nada... Eu estava tramada porque ía viajar com o Gui e o Martin, o R. estava tramado porque, além de nos ter que levar ao aeroporto, tinha que ir trabalhar...

 

De casa até ao aeroporto demoramos os 30 minutos habituais, o Gui não pregou olho, e assim que estacionamos a vontade de ir era tanta que era ele o que mais tinha pressa... Sem nunca reclamar, acompanhou-nos sempre a pé... O R. ficou connosco até entrarmos na zona do controle, e a partir daqui começava a nossa verdadeira aventura à 3...

 

A parte pior foi assim que entramos na zona de controle das malas/passageiros... Tinha o Martin no sling, o Gui ao meu lado e uma mala de mão... Faltava agora retirar tudo para colocar no tapete: comida do bebé, telemóvel, máquina fotográfica, casacos (eu e o Gui), e o melhor de tudo: tirar o sling!!! Como bónus, e sempre com o Martin no colo, ainda tive que tirar as botas pois o alarme tocou, e depois de passar os pés na máquina de controle ainda tive direito a uma "massagem nos pés e nas pernas" pois os meus pés continuavam a alarmar... Enfim... Passada esta parte, onde quase ficamos nus, reuni tudo, tornei a organizar e seguimos para a porta de embarque... A porta de embarque ficava "no cu de Judas", mas a vontade de fazer tudo certinho era bem maior, tanto que o Gui só dizia: "anda mamã, já estamos atrasados, o avião não espera por nós!"...

 

A partir do momento em que ficamos só os 3 e vi que o Gui fazia tudo direitinho sem nunca reclamar, sabia que podia contar com ele para me ajudar! E assim foi, entrámos no avião, bebeu um pacote de leite, colocamos o sinto e não houve uma única birra, tinha ao meu lado o menino mais bem comportado de sempre! Ficou acordado até o avião descolar, adormeceu logo de seguida e só acordou uma vez, a meio da viagem, para dizer que estava a dormir bem... Assim que aterramos  abriu os olhos e muito espantado perguntou se ali era a casa da avó... Esperou por todas as minha indicações... Saímos do avião, fizemos um pequeno percurso à chuva e outro percurso bem maior até chegar à zona das malas...

 

Nunca pensei que o Gui fosse aguentar andar tanto a pé sem dizer que estava cansado... Nunca imaginei que ele fosse ser tão responsável... Dei por mim, muitas vezes, a pensar se iria conseguir fazer a viagem a 3, e confesso até que tive receio que o Gui se lembrasse de fazer birras por estar cansado! Lembrei-me muitas vezes das últimas viagens que fiz com ele de avião, e tive receio que ele se lembrasse de ligar o "complicómetro" e não fizesse nada do que eu lhe pedisse, pois o sono é um grande inimigo nestes momentos... Mas não, aquela imagem que eu tinha do Gui irrequieto o tempo todo não se concretizou em nenhum momento...

IMG_0629.JPG

Já o Martin chorou um bocadinho por causa das cólicas, mas acabou por dormir uma grande parte da viagem... E eu, apesar de toda "partida" e super cansada, senti-me a Super Mulher por ter conseguido viajar sozinha com os meus 2 Principezinhos... É óbvio que tudo isto só foi possível porque os meus dois Bonequinhos portaram-se lindamente e, uma vez mais, o Gui conseguiu surpreender-me pela positiva.

 

Acho que toda a preparação que fizemos com o Gui e o facto de viajarmos de manhã cedo acabou por contribuir para o grande sucesso desta nossa primeira viagem!

PARA TI QUE ESTÁS GRÁVIDA ❤️

"Hoje eu vou falar para ti, que estás grávida. Vou contar-te coisas que poucas pessoas têm coragem de nos falar. Talvez por medo, talvez para não soar negativo, para não colocar medo. Hoje, quero dar-te as mãos, levar-te para um lugar tranquilo e falar olhando nos teus olhos. Quero contar-te algumas coisas. Coisas que ninguém me disse, e que quando eu senti, imaginei-me a pior das criaturas por achar que só eu vivenciava aquilo.

Pois bem. Logo tu darás à luz todo o sentido da tua vida. Serás inundada por um amor nunca antes sentido, imaginado, vivenciado. Terás a certeza de que os teus dias, enfim, terão sentido. Essa fofura em forma de bebé trará alegrias, descobertas e muitas aventuras.
Mas, também te digo que muitas coisas não são tão positivas, podem ocorrer e isso é normal. Sim, normal! Porque, antes de sermos mães, nós somos mulheres. Somos de carne e osso, coração e cérebro. E diria que muito mais coração do que cérebro. Porque nós temos as nossas limitações, porque nos cansamos, porque temos sono, porque temos desejos, porque somos seres humanos.

Essa criaturinha que está a chegar vai precisar de ti a 100% do teu tempo nesse início de vida. E ele vai chorar, e ele não vai dormir, e ele vai pendurar no teu peito por horas e horas e horas. E quando tu estiveres quase a dormir ele vai ter a fralda cheia de xixi. E quando estiveres prontinha para sair ele vai regurgitar em cima da roupa linda dele e em cima de ti, deixando um cheiro azedo.

Não, ele não fará isso para te punir, nem porque tem manhas. Os bebés não têm maturidade emocional para fazer joguinhos de manha. Eles apenas são bebés e precisam de cuidados. Precisam de alguém que os alimente. Acabaram de sair de um útero quentinho, onde estavam protegidos do frio e da luz.

E tu poderás sentir-te, por muitas e muitas vezes, com raiva. E poderás sentir culpa por sentires raiva. E isso vai doer. Vais encontrar, na Internet, milhões de relatos apaixonados sobre a maternidade, sobre o encanto de ser mãe, sobre a coisa mais deliciosa do mundo de cuidar de um bebé. E muitas vezes vais sentir-te a pior mãe do mundo e vais te questionar: <se todos só falam do amor e prazer de ser mãe, porque que é que eu me sinto tão cansada, precisando de mim e querendo ser eu novamente?>.

Eu digo-te: porque tu és normal. Tu és um ser humano. Tu tens desejos, sonhos e necessidades. Não te sintas culpada quando isso acontecer. Ter filhos dá trabalho, sim! Eles são extremamente dependentes, e isso, às vezes, até nos assusta. Pode ser que chores, que tenhas vontade de desaparecer, que olhes para aquele bebezinho tão lindo e não tenhas vontade de pegá-lo no colo. Sim, pode até acontecer!

E isso não significa que és uma péssima mãe. Não. Muitas de nós sentimos isso. Muitas sofrem caladas, eu vivenciei isso e algumas, amigas e conhecidas, também. Não te sintas mal.

Sabes o que é melhor? O melhor é que tiramos uma força não sei de onde, um poder, um amor, sacudimos a poeira, damos a volta por cima em instantes e abrimos um sorriso. Voltamos a ter a doçura que nos é peculiar. Abrimos os braços para o nosso bebé. E damos o peito. E mimamos. E acalentamos. Sentindo um amor que não cabe em adjetivos nem expressões.

E isso é a maternidade. É a dedicação exclusiva mais gratificante da tua vida. E também, por que não, mais cansativa? Mas, quem é que disse que seria fácil? Fomos preparadas para ser mãe e temos condições de superar tudo isso. Amor, esse amor de verdade que falamos quando experimentamos a maternidade, tem um custo. E sabes o melhor? Nós conseguimos! Pagamos qualquer preço e vale muito a pena. Ah, se vale!..." (Texto adaptado - Autor desconhecido)

IMG_0628.JPG

Isto tudo para dizer que eu própria esta noite me senti assim... Acho que foi a pior noite que o Martin teve desde que nasceu... Ele que costuma ser tão calmo e dormir como um anjinho, passou a noite a acordar e a chorar, praticamente todas as horas... Estava cheio de cólicas e nem as gotas milagrosas foram capazes de o sossegar. Às tantas comecei a ficar exausta,  tinha sono, dali a umas horas tinha que me levantar para ir levar o Gui à escola e recomeçar um outro dia... O R. acabou por ter que ajudar também... E eu senti-me mal por estar cansada e ter sono e não ser capaz de estar a cuidar do meu bebezinho... Já eram quase 6 horas quando o Martin ficou mais calmo, o R. já tinha saído para o trabalho, e eu pude respirar de alívio... 

Há dias em que a Maternidade nos mostra o seu lado menos bom, hoje, como mãe de segunda viagem, sei que é perfeitamente natural sentirmo-nos às vezes assim... A primeira vez que isto me aconteceu, no nascimento do Gui, confesso que me senti a pior pessoa do Mundo! 

Se voltava a fazer tudo de novo?! Claro que SIM, não há nada melhor que ser MÃE! ❤️

 

CANSAÇO SELETIVO

Ora aqui algo comum a todas as crianças: o cansaço seletivo! O Gui anda assim há uns 3 ou 4 meses e temo que este cansaço veio para ficar durante muito tempo... 

IMG_0624.JPG

Quem confirma esta minha teoria?! 

TEMPO LIVRE

IMG_0611.JPG

E ainda há quem acredita que ficar em casa com os filhos pequenos é ter boa vida e tempo livre de sobra... Eu cá ainda não consegui encontrar esse tempo livre que muitas pessoas falam... Alguém me explica como é que se arranja uma dose dessas para mim?!