Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

MAUS TRATOS

Contado Ninguém Acredita

Nunca mais abordei a conversa que a directora da escola do Gui teve comigo em Abril, um dia antes do confinamento... Mais uma situação marcada pela negativa que ficará guardada para sempre na minha memória... Vamos começar do princípio para enquadrar melhor o que se passou...

 

Aqui em França, aos 3 anos, quando as crianças entram para a escola existe uma avaliação de saúde feita por um médico e uma enfermeira escolar que passam para avaliar os alunos, nomeadamente a visão... Com o aparecimento da Pandemia, o Gui não fez esses testes no primeiro ano que entrou, por isso a avaliação foi feita no início do segundo ano escolar, mais precisamente em Outubro de 2020. Nesse dia, quando fui buscar o Gui à escola, a professora do Gui abordou-me e falou-me que o Gui muito provavelmente teria sérios problemas de visão, segundo a avaliação que tinha sido feita pelos profissionais de saúde, e por isso teria que consultar com alguma urgência um oftalmologista...

 

Fiquei incrédula com aquela avaliação e comecei a imaginar o que teria realmente acontecido: o Gui super incomodado com aquela avaliação, a não olhar para ninguém e a não responder... E as pessoas a achar que ele não respondia porque não via nada! Típico do Gui: fora de casa super tímido e mudo e dentro de casa exactamente o oposto! Expliquei à professora que não estava convencida com aquele resultado mas que iria consultar um oftalmologista rapidamente...

 

E assim foi, marcamos consulta no primeiro oftalmologia de crianças que nos apareceu disponível, e naquele dia tirei as dúvidas: mal entrou no consultório o Gui não disse uma única palavra e mal olhava para a pessoa que o estava a avaliar...

IMG_1965.JPG

Nem imaginam como me senti mal, tinha -lhe pedido para colaborar, e até lá dentro quase lhe supliquei para dizer alguma coisa nem que fosse em português... Mas nada adiantou, não deu uma palavra, e a oftalmologista disse que faria então outra consulta mas teria que colocar umas gotas antes... Peguei na prescrição médica, e disse que depois marcava a consulta através do site, pois não conhecia as minha disponibilidades... Na realidade, não tinha gostado nadinha da forma como o Gui tinha sido abordado, cheia de pressas e sem qualquer empatia, mesmo eu explicando previamente como ele era...

 

Entrei no carro e o Gui começou e dizer tudo o que tinha visto, e questionei-o porque motivo não tinha respondido dentro do consultório... É óbvio que não me deu nenhuma justificação plausível, mas eu sabia como ele era e estava consciente que tínhamos um trabalho difícil pela frente...

 

Expliquei à professora o sucedido e disse-lhe que não o ía levar de imediato a outra consulta, que preferia esperar mais um meses até eu o sentir menos tímido, porque este isolamento social todo não o tinha ajudado em nada, que seria mais uma perda de tempo e dinheiro se o fizesse novamente num curto espaço de tempo... Reforcei-lhe que não achava que ele tivesse problemas graves de visão, e que se os tivesse seriam mínimos pois nunca vimos nada de anormal nele... A professora parecia ter concordado, e nunca mais tornou a falar do assunto...

 

Passados 6 meses, a "enfermeira escolar" voltou a passar na escola e fez uma reflexão escrita de que o Gui provavelmente "precisaria de óculos porque escrevia com a cabeça muito colada à folha"... Comecei a imaginar de novo o motivo de tal comportamento: "não querer ser visto ou simplesmente esconder-se... Como seria a abordagem feita por aquela enfermeira?!"...

Naquela semana, fui à escola saber da avaliação do Gui e, sem eu abordar o assunto, a professora disse que também achava que o Gui não tinha nenhum problema de visão grave...

O mais estranho é que uns dias mais tarde a directora da escola teve um comportamento inesperado... Nesse dia, vou levar o Gui à escola, e a directora chama por mim e diz-me que precisa urgentemente de falar comigo porque o Gui tem problemas sérios de visão e eu não me preocupo em levá-lo a um especialista... Por isso, se continuar assim será obrigada a fazer uma "sinalização de maus tratos"!

Nem queria acreditar no que acabava de ouvir, e por uns segundos respirei fundo para não perder a razão, e disse-lhe que achava muito estranho as acusações que ela acabava de me fazer quando na semana passada a professora do Gui tinha falado comigo... Tive que lhe dizer que também eu era profissional de saúde, e se estava a agir assim era por conhecer o meu filho, e que se havia alguém preocupado com ele, era eu!

O cúmulo foi quando ela ainda teve a lata de me dizer que se eu era profissional de saúde ainda era mais grave pois devia estar mais atenta!!! Mais atenta ao quê?! Nem sei como não me passei quando ela fez estas insinuações... E embora estivesse revoltada por dentro, mantive o meu ar super calmo e seguro... Falei-lhe do quanto era difícil colocar o Gui a falar com estranhos, expliquei que era impossível força-lo a falar quando ele simplesmente não queria e disse-lhe que até para mim era muito complicado esta situação porque não compreendia porque motivo ele era assim fora de casa... E disse-lhe que esta Pandemia era a grande responsável por tudo isto pois vivíamos muito isolados agora. No final, disse-lhe que iria marcar uma nova consulta, mas num oftalmologista de confiança, indicado pela Pediatra do Gui, mas que não podia prometia nada...

 

Entretanto, fui à Pediatra do Gui e contei-lhe o sucedido, também ela ficou indignada com aquelas acusações vindas de uma directora de uma escola... A Pediatra ainda tentou ligar para a "enfermeira escolar" para tentar perceber o que se passava mas não estava a trabalhar naquele dia, por isso uns dias mais tarde liguei eu e falei com ela... Enquanto isso, e no mesmo dia, a Pediatra tentou fazer um teste simples de visão, mas mais uma vez o Gui nem uma palavra deu... Gentilmente a Pediatra emprestou-me o material para fazer o teste e disse para eu fazer em casa e o R. filmar para ela ver o resultado... E assim foi, em casa o Gui respondeu tudo direitinho...

 

Mesmo assim, estava determinada a marcar uma nova consulta de oftalmologia, desta vez alguém que tivesse referências... Liguei para a Oftalmologista que a Pediatra me aconselhou e conseguimos consulta 3 meses depois...

 

Quanto à Enfermaria escolar não me inspirou confiança nenhuma, mal me deixou falar, e ainda me aconselhou levar o Gui a um psicólogo porque ela já tinha feito centenas de testes e nunca tinha encontrado uma criança como o Gui, e que não tinha que me sentir mal em pedir ajuda a uma psicóloga pois também ela tinha levado uma vez a filha dela... Sem me conhecer, sem me deixar falar, fez uma série de observações que me deixaram completamente estupefacta, disse-lhe que o problema disto tudo era estarmos isolados/confinados há mais de um ano e que o mais grave disto tudo foi ter a directora da escola a ameaçar-me com uma sinalização de maus tratos!!! 

 

O resto da história fica para um próximo post...

VOILÁ LA FRANCE

Contado ninguém acredita

Lembram-se daquela história da electricidade, de Julho de 2019?! Aquela que ao fim de 8 meses ainda não estava resolvida...

Pois é, passados 22 meses tudo continua praticamente igual!!!

Desde essa altura, fartei-me de fazer telefonemas a reclamar, a contar vezes sem conta a mesma história até que no final do ano passado decidi escrever uma carta registada, com aviso de excepção, a explicar todo este pesadelo... A carta foi recebida e depressa ligaram a informar que seria um processo demorado para resolver...

Só há uns 15 dias é que voltaram a ligar para dizer o mesmo: que estavam debruçados no nosso problema, mas que ainda iria demorar! 

Demorar quanto tempo mais?! Mais 2 anos?! Nessa altura, se tudo correr bem, já não estaremos cá... Enquanto isso a factura de electricidade acumula-se porque nunca mais pagamos nada, nem podemos mudar de fornecedor porque nem contrato temos e para mudar seria necessário uma factura recente de electricidade... 

Ontem fez-se então luz e um técnico da Enedis veio finalmente a casa para comprovar o que há muito já sabíamos: o nosso contador de electricidade está trocado com o do nosso vizinho!!! Fico sem perceber como raio foi possível só agora vir cá alguém... O cúmulo é que quando questionei o técnico se este tipo de situações era frequente, ele disse que sim, principalmente no loteamento onde moramos!!!

Falta agora saber quanto tempo mais vai ser preciso esperar para fazerem os cálculos todos necessários... E cá para mim, tenho as minhas sérias dúvidas que eles consigam chegar um dia a algum valor que corresponda à realidade...

Confesso que até tenho medo do dia em que iremos ver essa conta de electricidade...

IMG_1811.JPG

PREÇO PARA ACOMPANHAR BEBÉ NO INTERNAMENTO

Sistema de Saúde Francês

Quase 3 meses depois do Martin ser internado, recebo uma factura para pagar do hospital... Estava à espera de muita coisa, mas não de uma conta para pagar das duas noites em que eu fiquei, no Serviço de Pediatra, para acompanhar o Martin!  

IMG_1799.JPG

14.5€ cada noite... Isto sem contar que estamos a falar de um hospital público.... Deve ter sido para pagar o aluguer do sofá/cama onde fiquei instalada... Porque nem um copo de água tive direito.

Depois do pagamento, enviei o comprovativo de pagamento para o seguro, falta agora saber se vão reembolsar...

20 ANOS ENGANADA

Coisas do dia-a-dia

Será que só fui eu que andei este tempo todo enganada na forma mais correcta de se colocar o ambientador na sanita?! 

Confesso que sempre achei bastante estranho e pouco funcional cada vez que o colocava na sanita, tal como se vê na imagem da esquerda...IMG_1756.JPG

Foram precisos 20 anos (ou até mais) para descobrir a forma mais correcta de o colocar! 

Quem mais andava enganado?!

 

CANTINA ESCOLAR EM TEMPO DE CONFINAMENTO

Coisas que ninguém fala...

Tal como relatei no post de ontem, o governo francês estabeleceu quais os profissionais que podem deixar os filhos em escolas/tempos livres durante o período de emergência (entre os quais serviços de saúde, apoio social e forças de segurança), mas o que o governo francês não se preocupou foi em assegurar que a cantina desses estabelecimentos funcionasse. Com isto, cabe aos pais assegurar que os filhos levem para a escola o almoço, que deve ser frio de forma a comerem em "piquenique". 

Ora, o Gui que não gosta nada saladas nem de comidas frias nem imaginam o quanto fica difícil tentar variar a alimentação dele. Acho inadmissível que crianças tão pequeninas tenham que ser privadas de uma refeição dita "normal", não basta os nossos filhos terem que ser privados da nossa presença em tempos de confinamento?!

O que vale é que nestas 3 semanas de confinamento o Gui irá, em média, 2 dias por semana, caso contrário ficaria complicado ter que gerir tudo isto...

E é desta forma que o governo francês se preocupa com quem não pode reclamar...  

IMG_1747.JPG

QUANDO A ESTUPIDEZ FALA MAIS ALTO

Enfermeira em tempos de Pandemia

Tinha que partilhar com vocês um episódio que aconteceu no serviço onde eu trabalho, fez ontem 8 dias... O serviço tem três alas, sendo que uma das alas era para doentes Covid... Até que no domingo, dia 17 de Janeiro, uma das doentes da ala não Covid teve a visita do filho...

 

Basicamente, aqui, os doentes internados no hospital que não estejam numa ala Covid podem receber uma visita por semana, de 1 hora, no máximo de duas pessoas, sendo que essas pessoas têm que assinar uns documentos de como se comprometem a respeitar as normas que estão em vigor devido a esta Pandemia (uso de máscara cirúrgica, nao abraçar nem beijar o doente, etc...) e é lhes recomendado fazer um teste para despiste à Covid...

 

Nesse dia, tudo parecia correr normalmente, até que uma colega passou na ala e se apercebeu que o filho da senhora tinha o nariz "fora da máscara", tocava em tudo e mais alguma coisa, estava sentado na cadeira de rodas e na bacia do banho tinha colocado algum lixo... A minha colega, tentou de forma simpática, demonstrar-lhe que não estava a agir correctamente e que estava a colocar em risco, não só a mãe como os doentes daquele sector... Mas o senhor, achou que tinha toda a razão e num tom arrogante ainda a confrontou dizendo:

- E então, o que me vai acontecer?! Nada.

Nisto, e ainda na presença da minha colega, o senhor, dirige-se à mãe, retira a máscara, beija-a na boca e vai-se embora!

 

A seguir a minha colega participou o caso ao administrador do hospital, que estava de serviço naquele dia e, no dia seguinte, o médico ligou ao dito senhor o qual o informou que ficava proibido de visitar a mãe... A estupidez era tanta que o senhor ainda teve o descaramento de insultar o médico... Estamos a falar de uma doente desorientada, com cerca de 80 anos, que tem um cancro, e de um filho que deve ter uns 50 e muitos anos...

 

Quando fui trabalhar, na terça-feira, e me contaram o caso nem queria acreditar nesta falta de civismo. O pior é que 4 dias depois, a senhora, e mais alguns doentes da ala começaram a apresentar febre e outros sintomas Covid... Fizeram o teste para despiste da doença e o resultado foi o mais temido: COVID-19 POSITIVO!

 

Eu, que tinha programado a minha primeira vacina para sexta-feira, dia 22 de Janeiro, não a pude fazer, porque exactamente no dia que fui trabalhar naquela ala, fiquei com alguns sintomas que podem ser Covid...

- "Constipação ou Covid, o melhor é tirar a dúvida antes de se vacinar!" - disse-me a médica do hospital. 

 

Com esta atitude egoísta e irresponsável, tornamos a ficar com duas alas Covid, e eu não pude ser vacinada! Hoje lá vou ter que fazer o teste para despistar se estou negativa para fazer a vacina ainda esta semana... 

 

É surreal como ainda existem pessoas que não acreditam na gravidade desta Pandemia... A isto, eu chamo de ESTUPIDEZ!!!!

IMG_20201112_162235_360.jpg

O DIA EM QUE O NOSSO MUNDO TREMEU - PARTE 3

UMA DIRECTORA DO RAM DESCOMPENSADA

Passamos o fim-de-semana incrédulos com o que tinha acontecido e só queríamos dar por encerrado este problema o mais rapidamente possível...

 

A carta de rescisão do contrato foi enviada no sábado logo de manhã, pelo R., mas na segunda-feira à hora do almoço já eu recebia uma mensagem de voz da directora do RAM, com um tom ameaçador, a dizer-me que a Aurélie ainda não tinha recebido nenhuma carta, que não percebia o que tínhamos contra ela, que tínhamos que lhe pagar os direitos, que ela lhe tinha dito que nós nunca lhe entregamos os recibos de pagamento do seu ordenado, que se calhar nós nunca declaramos a ama, e que se não fizéssemos tudo direito iriam recorrer ao tribunal do trabalho (em francês, prud'hommes)...

Nem queria acreditar em todas as barbaridades que ela me tinha dito... Como podia ela estar a fazer este tipo acusações contra nós?! Liguei-lhe de imediato e comecei a dizer-lhe que não compreendia o que se estava a passar, que a carta já tinha sido enviada e que teriam agora que aguardar pelos correios, que tudo foi sempre devidamente declarado, que se não demos os recibos foi porque não era uma obrigação nossa (ela podia imprimir directamente do site do centro de emprego), e que se havia alguém que tinha falhado com as suas funções não éramos nós, mas sim a Aurélie... Mal terminei de finalizar a última frase, a directora do RAM disse-me que o problema era eu, que não gostava da Aurélie e tinha implicado com ela desde o início... Preferi respirar fundo e terminar a conversa por ali porque sabia que não adiantava acrescentar mais nada...

 

Cerca de uns dois ou três dias depois, e tal como tinha ficado combinado, dirigi-me ao RAM com o Gui para levantar os pertences dele, que a Aurélie tinha deixado, e para verificar se os documentos e as contas estavam bem feitas... E mal entrei na sala fiz questão de demonstrar o meu descontentamento com a falta de confiança na nossa palavra... No mesmo instante, e sem eu estar à espera disso, a directora do RAM olha para mim com um ar maquiavélico e diz-me: 

- "Sabe, D. Patricia, eu e a Aurélie sabemos perfeitamente que o seu marido no outro dia estava completamente do nosso lado, bastava olhar para ele... Já reparou que ele não disse uma única palavra?! Reagiu assim para não ter que a contrariar... Vê-se perfeitamente que você é quem manda em casa e têm sérios problemas de família.... E digo-lhe mais, NUNCA VAI ENCONTRAR UMA AMA PARA O SEU FILHO, E SABE PORQUÊ?! Porque a senhora nunca vai deixar nenhuma mulher se aproximar dele, você cria uma espécie de bolha que faz com que ninguém se possa aproximar dele..."

IMG_1369.JPG

Fiquei petrificada a ouvir todas aquelas barbaridades, respirei fundo, e sem descer ao nível dela, o nível mais rasco que eu nunca imaginei que ela fosse capaz de chegar, interrompi-a e disse-lhe:

- "Não admito que fale assim de mim e da minha família. A senhora não nos conhece de nenhum lado, nem sabe a relação que eu tenho com o meu marido. É óbvio que o meu marido nunca esteve do fosse lado, vocês sabem perfeitamente que se ele não falou porque não se sente à vontade para se exprimir em francês, e vocês sabem disso desde o início, principalmente a Aurélie. São acusações graves que acaba de fazer. Vamos terminar aqui a conversa porque eu só estou aqui para tratar de burocracias, não para falar de um assunto que já vi que não vale a pena discutir mais."

Mal acabei de dizer isto, a cara dela mudou completamente e com o ar mais cínico passou do ar de bruxa para o ar de donzela... Fizemos os cálculos, entreguei os papéis que tinha que entregar, e quando vinha embora disse-me com o ar mais cínico e com o sorriso mais amarelo: 

- "Boas férias em Portugal. Aproveitem muito..."

 

Entrei no carro, com uma vontade enorme de a mandar à M****, nem queria acreditar o que se tinha passado ali naquelas 4 paredes... Estava completamente incrédula com as palavras que ela me tinha dito... Liguei ao R. e contei-lhe o sucedido e disse-lhe que o melhor que tínhamos a fazer era tentar esquecer este pesadelo porque era demasiado cruel para ser verdade... Além disso, quem é que iria acreditar em nós?! Dois portuguesitos perdidos no meio destes abutres?!...

 

Nunca mais tornamos a falar para aquelas senhoras, e felizmente nunca mais se cruzaram no nosso caminho... Mas esta primeira experiência deixou-noscompletamente horrorizados e ficamos com "pena" das crianças que iriam ficar nas mãos daquela psicopata... Ainda por cima, naquele ano, a directora do RAM tinha ficado também directora da creche, o que para nós só nos ajudou a tomar a decisão de mudar de casa longe dali... Agora era hora para tentar tranquilizar o Gui e encontrar uma ama  para depois das férias de Verão... Estávamos mais exigentes e os critérios de selecção tinham mudado...

 

(continua e termina na próxima segunda-feira)

O DIA EM QUE O NOSSO MUNDO TREMEU - PARTE 2

O DIA DA TÃO AGUARDADA REUNIÃO

O dia da reunião parecia que nunca mais chegava, e na minha cabeça haviam três coisas que me massacravam: o tom de voz agressivo que a Aurélie  utilizou, quando me disse que o Gui era TIRÂNICO e o momento em que ela se dirigiu a ele com um tom ameaçador, a apontar o dedo... O Gui tinha apenas 12 meses e meio, um bebé indefeso e seguramente bastante assustado com o que ela lhe tinha feito...

IMG_1367.JPG

No dia da reunião, e tal como nos foi aconselhado, deixamos o Gui na casa dos nossos amigos, estávamos ansiosos por saber o que elas íam dizer... Chegamos, sentamo-nos e a directora do RAM começou por dizer que o motivo daquela reunião era para compreender melhor o Gui, a forma como ele vivia, as rotinas, de forma a que a Aurelie pudesse fazer uma melhor integração... Que ela tinha sido chamada na segunda-feira e ao chegar lá, depois da hora do almoço, constatou que o Gui estava realmente super stressado, chorava compulsivamente e estava todo molhado e foi impossível de o acalmar... Que também não percebia o motivo de ele estar assim, quando se encontrava num quarto arejado e num berço seguro... Interpelei-a e perguntei-lhe que não conseguia compreender o motivo da Aurélie não me ter ligado, porque motivo o meu filho foi forçado a chorar horas a fim quando eu tinha avisado que ele tinha estado 7 dias muito doente e ainda não estava em forma... Além diss, ela sabia perfeitamente que o Gui odiava dormir no berço, sozinho, gostava de dormir na presença de alguém e na sala (tudo porque vivíamos num apartamento com apenas 1 quarto)... Eu podia ter resolvido o problema, mas nem me deram qualquer hipótese... Podia ter saído do hospital, ou o R. podia ter saído do trabalho mais cedo, para nós estava fora de questão deixá-lo nesse estado... Espantosamente, a directora do RAM disse-nos que isso estava fora de questão porque não fazia sentido nós deixarmos de trabalhar a cada capricho do Gui e nem percebia o motivo de nós estarmos contra a ama...

 

Depressa compreendi que a directora do RAM estava completamente feita com a ama, sendo assim era mais do que óbvio... A reunião ía terminar muito mal...

 

Respirei fundo, tentei manter-me calma, porque queria ouvir o que a Aurélie tinha para dizer agora... Enquanto isso o R. mantinha-se calado a ouvir tanta barbaridade junta, tinha combinado comigo que não iria falar porque tinha receio de não se saber exprimir, por isso cabia-me a mim demonstrar o nosso desagrado total...

 

A Aurélie dirigiu-se a nós com um tom agressivo e disse-nos que sentia que eu nunca confiei nela e que esse era o motivo principal para o Gui nunca ficar bem na casa dela, que estava ali para mostrar a sua preocupação em relação a ele, que tinha que conhecer melhor a forma como nós o tratávamos em casa porque ele não podia ser o centro do mundo... Que a culpa era nossa porque a nossa vida girava em função dele... Que só queria colo, que não brincava com os outros meninos, que não suportava estar sozinho, que não gostava da filha mais nova dela, e que assim era difícil... Por isso teríamos que fazer um plano adaptado...

 

Cada palavra que ela dizia deixava-me com mais raiva dela, mas mesmo assim conseguimos manter a calma e decidi que era a minha vez de falar...

 

Comecei por lhe perguntar o motivo dela estar a falar com aquele tom de voz tão agressivo, quando ela diz ser tão profissional... Mas ela simplesmente negou, e o cúmulo foi quando a directora do RAM a defendeu, dizendo que aquele era um tom de voz de alguém com sentimentos que queria ajudar e fazer o melhor pelo nosso filho... 

 

Estava cada vez mais incrédula com toda aquela situação, desde quando alguém fala assim e acha que é sentimental?! Desde quando alguém que é profissional, precisa de o repetir?!...

Perguntei-lhe se achava normal o que ela tinha feito e dito na segunda-feira... Ter chegado de manhã com o Gui e ela falar para para ele toda enervada a apontar-lhe o dedo e a dizer que ele era tirânico, que sabia bem o que tinha feito...

Tirânico??? Desde quando um bebé de 12 meses pode ser tirânico??? Mas que raio de afirmações uma ama faz para uma mãe???

Se achava bem ela estar a gritar com a filha dela... E porque motivo ela afirmava que eu nunca tive confiança nela e por esse motivo o Gui nunca ficava bem...

Que a nossa vida girava em função do Gui?! Claro que sim, éramos pais de primeira viagem, e toda a gente sabe que quando o primeiro filho nasce a vida muda completamente e as prioridades deixam de ser as "nossas" e passam a ser "ele"...

Nunca ficava bem?! Mas afinal nos outros dias todos também tinha havido problemas?!

Disse-lhe que se houve um dia que não tive confiança nela, esse dia foi na terça-feira, quando a vi completamente descontrolada e irreconhecível... E confessei até que naquele dia nem sei como consegui trabalhar...

Terminei por lhe perguntar algo que nos esquecemos de fazer na entrevista de emprego: há quanto tempo ela trabalhava como ama (em francês, assistante maternelle)...

 

Num tom sempre ameaçador, a Aurélie, disse que era perfeitamente normal ela ter falado assim com o Gui, que falava assim com os bebés a partir do 4 meses, porque a partir dessa idade eles sabem bem o que estão a fazer... 

Que tirânico não era uma palavra chocante, que ela própria tinha passado por isso com a filha mais velha quando entrou para a creche, que também lhe tinham dito que ela era tirânica...

Que não tinha gritado com a filha, apenas queria que ela fosse comer e não interrompesse a nossa conversa...

Que a nossa vida não podia girar e mesmo função do Gui, ele é que se tinha que adaptar porque depois ele vai achar que é o centro do Mundo...

E que eu não tinha confiança nela porque nunca dizia ao Gui que ele ía ficar com ela, que eu criava uma espécie de "bolha" que impedia que qualquer mulher se aproximasse dele...

E respondeu-me que trabalhava desde Setembro passado, há mais ou menos 9 meses... 

 

Esta última afirmação tinha-me deixado completamente esclarecida,  afinal a experiência dela era quase nenhuma... Horrorizada com tudo o que ela tinha acabado de dizer e sobretudo com o parecer positivo da directora do RAM, fiquei sem palavras só conseguia pensar nos dias que o Gui tinha ficado com ela...

Tudo aquilo parecia demasiado surreal, tão surreal que só me vinha à cabeça que elas pudessem estar a arquitectar um plano qualquer... Lembrei-me tanto daquela reportagem de adopções forçadas no Reino Unido... Já não sabia mais o que pensar...

Foi então que a directora olhou para nós e pediu que o importante agora era estabelecer um plano porque amanhã era um novo dia e tínhamos que ver como tínhamos que agir com o Gui... 

 

Olhei para o R. e respondi-lhes que não havia mais amanhã nem depois, que o Gui não iria voltar nunca mais, e que a Aurelie estava demitida a partir daquele dia porque era impensável para nós deixarmos o Gui com uma pessoa que perdemos a confiança...

Quem me dera ter gravado a cara delas quando acabei de dizer isto... Só me lembro da Aurélie a tentar pegar nos óculos de sol e nas chaves de casa, que estavam em cima da mesa, ao mesmo tempo que barafustava a perguntar o que estavam ali a fazer então... Que não fazia sentido nenhum o que que tínhamos feito, que as filhas nem se tinham despedido do Gui  que já fazia parte da família, e que ainda tinham ficado coisas dele na casa dela...

O pior, foi quando a directora do RAM respondeu também que estávamos a agir de má fé, que devíamos ter dito logo que o Gui não ía mais, porque assim nem tínhamos feito nenhuma reunião... Que tínhamos que pagar tudo o que lhe devíamos,  incluindo os 15 dias que ainda estavam por vir porque era necessário avisar com antecedência... E que a Aurélie podia deixar o saco com os pertences do Gui ali na instituição...

 

Mais uma vez, respirei fundo, engoli em seco, e disse-lhe que para nós não tinha sido uma perda de tempo, tinham que ouvir o que tínhamos para dizer, e era lógico o Gui não continuar lá e que, não tinham que se preocupar quanto ao pagamento, pagaríamos todos os direitos tal como a lei manda...

 

De forma a agilizar todo o processo, informei que enviaria a carta de rescisão de contrato no sábado, em correio registado com aviso de recepção e que passaria depois no RAM para deixar todos os documentos necessários, bem como mostrar os cálculos para o pagamento do que devíamos à ama... 

 

Saímos dali completamente incrédulos com toda aquela situação e ainda hoje não consigo acreditar como é que aquela senhora que se diz directora do RAM pôde compactuar com toda aquela situação...

 

Mas a história não termina aqui... Depois disto, o filme de terror ainda continuou por mais algum tempo...

 

(continua amanhã)

O DIA EM QUE O NOSSO MUNDO TREMEU

O PESADELO DA PRIMEIRA AMA

Quando o Gui nasceu se havia receio que nós tínhamos era ter que o deixar com alguém "desconhecido" quando eu voltasse a trabalhar... Preferíamos que ele tivesse ido para uma creche porque, à partida, o risco de encontrar alguém "menos profissional" era menor, pelo menos haveriam mais adultos presentes... Infelizmente acabou por se tornar uma missão impossível, e não tivemos outra escolha se não procurarmos uma ama... Não foi fácil, mas encontramos uma, perto da nossa casa...

 

Fizemos a entrevista à ama, fomos conhecer a casa, as rotinas, o ambiente onde o Gui iria ficar e demos-lhe a conhecer as rotinas dele... A ama era francesa, chamava-se Aurélie L., tinha 31 anos, parecia simpática, prestável e afável com os bebés... Era casada, tinha duas filhas, uma de 4 anos e outra com 1mês menos do que o Gui... Parecia que reunia todas as condições que procurávamos...

 

O Gui começou a ir para a ama exactamente no dia 28 de Março, altura em que começou a fazer a integração, pois eu recomeçava a trabalhar no dia 3 de Abril...

 

Assim que comecei a trabalhar, eu levava o Gui e o R. ía buscá-lo... Mas como ele tinha algum receio de não compreender tudo o que ela fosse dizer, ficou estabelecido que ela iria escrever num caderno as coisas mais pertinentes que tivessem ocorrido durante o dia...

 

Tudo parecia normal, até que em Junho o Gui ficou uma semana em casa, doente com uma gastroenterite... Foi provavelmente a pior semana que o Gui teve doente... Vomitava imenso, tinha muita diarreia e alimentava-se muito mal, a sorte é que ele bebia muito bem a solução de hidratação prescrita pelo médico... Quando voltou para a ama, escrevi no caderno o que se tinha passado naquela semana, que o Gui esteve ausente, e pedi que ela fosse um bocadinho mais paciente porque sabia que ele ainda não estava completamente em forma, e fiz questão de lhe dizer isso pessoalmente...

 

Foi exactamente nesse dia, dia 26 de Junho de 2017, no primeiro dia que o Gui voltou depois de estar ausente durante 7 dias, que ficámos a conhecer a verdadeira Aurélie...

 

O R., como era habitual foi buscar o Gui no fim do trabalho e enviou-me uma fotografia da mensagem que a Aurélie tinha escrito no caderno... Fiquei parva a olhar para aquele texto, sem compreender o que se tinha passado, e até mostrei à minha colega que estava a trabalhar comigo... Alguma coisa de anormal tinha que ter acontecido... Liguei imediatamente para o R. para perceber melhor do que se tratava... O R. também estava desorientado com aquela situação pois ela só lhe tinha dito que o Gui tinha chorado um "bocadinho mais que o normal", mas que estava tudo explicado no caderno...

IMG_1365.JPG

Tentei ligar para ela, umas duas ou três vezes, mas sem qualquer sucesso... Eram 23h e uns quantos minutos quando no meu telemóvel entrou uma SMS a dizer "que tinha ido a uma aula de Yoga, para não me preocupar, que amanhã de manhã falávamos melhor"...

 

Como não me preocupar quando ela deixa uma mensagem a dizer que "devido a um acidente ela quer falar comigo pessoalmente e que chamou a responsável do RAM para intervir na casa dela, e devido a isso ela propôs uma reunião dali a 3 dias, com a responsável do RAM, comigo e com o R.?! 

 

Naquela noite não dormi, nem queria acreditar no que estava a acontecer... Ainda por cima, no dia seguinte ía trabalhar e tinha uma reunião com a Directora Dos Cuidados de Saúde do hospital onde trabalho porque tinha escrito uma carta ao hospital para pedir demissão, uma vez que a minha Chefe não me queria dar férias no Verão, alegando que não tinha direito (e eu com o Batizado do Gui todo programado)... Não tendo alternativa, e mesmo tendo acontecido esta situação muito estranha, o Gui teria mesmo que voltar  a ficar na ama...

 

No dia seguinte, tentei ir uns minutos mais cedo para esclarecer o que se tinha passado, queria compreender porque motivo ela tinha chamado alguém de fora para intervir e não me ter telefonado directamente a mim... Mal ela abriu a porta, o Gui começou a chorar agarrado-se a mim como que a dizer que não queria ficar ali... Perguntei-lhe que "acidente" tinha acontecido para ela chamar outra pessoa e demonstrei toda a minha preocupação... Mas mal ouviu a palavra "acidente", parece que a tinha ofendido, começou por dizer que era um "incidente, e não um acidente, que eu tinha percebido mal... que o Gui tinha chorado compulsivamente o dia todo, que era impossível ele ficar a dormir no berço porque berrava e transpirava imenso, que ele não suportava a filha dela (que tinha um mês menos), que tínhamos que ver melhor as rotinas dele em casa, e que ele era TIRÂNICO..."  Enquanto ela dizia, enervada, todas estas barbaridades, a filha de 4 anos vinha imensas vezes ter connosco, porque ela adorava o Gui, e ela gritava com ela para estar calada e ir comer... Estava petrificada com aquele cenário, nunca a tinha visto assim... Contei baixinho até três, respirei fundo, e procurei não demonstrar o meu "pânico", disse-lhe que efectivamente ela tinha escrito "acidente", e tentei saber o motivo dela não ter ligado para mim quando eu trabalhava perto, ainda por cima ela sabia que ele ainda não estava muito bem... Sempre num tom agressivo, disse-me que a culpa era minha porque vivíamos em função dele, que eu não tinha confiança nela e ele sentia isso e era por isso que ele ficava sempre a chorar quando o deixava... Repetiu três ou quatro vezes que ela era "bastante profissional", que era especializada em crianças com necessidades especiais... E enquanto dizia isso, o Gui continuava agarrado a mim... Dirigiu-se a ele, apontando-lhe o dedo, e com um tom ameaçador, disse-lhe que ele "sabia bem o que fazia, que não podia ser assim, que o mundo não girava à volta dele, e que ele era tirânico, que ía ter que mudar"... Tinha vontade de sair dali a correr com o Gui, sem olhar para trás, mas mesmo com o coração completamente despedaçado, e incrédula com toda aquela situação, deixei o Gui e fui trabalhar... Se fosse hoje, nunca o teria feito...

 

Entrei no carro e chorei compulsivamente, liguei ao R. a contar-lhe o que se tinha passado e avisei-o que o Gui não iria nunca mais ficar lá, mas que a Aurélie não podia saber disso... Naquele dia, nem sei como consegui trabalhar... Não consegui esconder a preocupação que tinha, chorei imensas vezes por ter receio que ele não pudesse estar bem, contei à minha chefe e até ela achava a situação bastante estranha... Fui à reunião, a Diretora pediu-me para não rescindir contrato e negociou as férias de Verão comigo... Tinha um problema a menos para tratar...

 

Durante a manhã, a responsável do RAM ligou para o meu telemóvel... Lembro-me das primeiras palavras dela: "bom dia, não fique preocupada com o que aconteceu ontem, o seu filho não tem qualquer problema de saúde, mas precisamos de perceber como são as rotinas do Gui em casa porque a Aurélie não está a conseguir lidar com ele... Queremos conhecer melhor como vocês o tratam..." Ouvi incrédula tudo o que ela disse e respondi-lhe que na quinta-feira estaríamos então na tal reunião que tinha sido programa por elas... Estava ansiosa por esse dia...

 

O meu objetivo agora era encontrar alguém de confiança para o Gui ficar na próxima sexta-feira e nos outros dias que eu tivesse a trabalhar... Estávamos no final de Junho, com as férias de Verão à porta ficava difícil encontrar alguém e eu também tinha muito medo de o deixar com outra pessoa, tinhamos que ter muita atenção antes de contratar novamente alguém... Falei com as minhas duas amigas e, com algumas trocas que fiz no horário, conseguimos que o Gui ficasse com elas nos dias que eu trabalhava... O mês de Julho estava resolvido, faltavam agora alguns dias em Agosto... 

 

Liguei para a minha mãe e disse-lhe que precisava dela 15 dias em Agosto porque o Gui tinha ficado sem ama, mas não lhe consegui contar a verdade, não a queria preocupar mais do que eu estava... Felizmente, conseguimos encontrar a melhor solução para o Gui, pelo menos até às férias de Verão...

 

No final do dia, o R. foi buscar o Gui e agiu normalmente de forma a Aurélie não perceber que o Gui não iria nunca mais...

 

No dia seguinte estava de folga, precisava de desabafar... Liguei às minhas amigas e marcamos um almoço juntas... O Gui que estava super à vontade com elas, assim que as viu agarrou-se a mim e começou a chorar... Olhámos umas para as outras e rapidamente percebemos que o Gui estava realmente bastante perturbado... Felizmente à medida que o almoço ía decorrendo, o Gui foi ganhando confiança, deixando-nos mais tranquilas para os próximos dias em que ele iria ficar com elas...

 

(continua amanhã)

QUANDO NÃO TE QUEREM DEIXAR PAGAR

Lembram-se da história da electricidade que vos contei há uns 8 meses atrás?! Para aqueles que não se lembram, ou para aqueles que perderam o post, podem sempre clicar aqui.

 

Hoje trago-vos o resultado dessa história: nenhum, nada de nada, tudo igual!!! Dá para acreditar nisto?! Desde Julho que andamos a tentar resolver o assunto, mas mais parece uma missão impossível... Depois de inúmeros telefonemas os quais terminavam sempre com um: "realmente é muito estranho, não se preocupe que vamos resolver isso, vou encaminhar este problema à direção e daqui a três dias estará resolvido", esta semana parece que o assunto seguiu para algum responsável, pelo menos a minha chamada foi transferida para alguém que me assegurou que agora era só uma questão de dias para eles regularizarem este "equívoco"...

 

A história de terem  trocado os contadores é mesmo verdade, e pelos vistos foi mesmo o "Costa" que nos cancelou o contrato em Fevereiro de 2019, o cúmulo é que o Costa entretanto mudou-se e tornou a cancelar mais outro contrato... Parece que era o Costa que nos estava a pagar a luz, pois a morada do Costa era exactamente a nossa... Mas o número do contador da electricidade do Costa era outro e a empresa fornecedora de energia não confirmou os dados na subscrição dos contratos... E entretanto nós andamos assim, sem pagar luz mas com electricidade em casa à conta não sei de quem porque nem a empresa nos soube informar como era possível nós termos luz em casa... Uma salgalhada de todo o tamanho, uma história que não lembra ao diabo e que, mesmo contada na primeira pessoa, é difícil de acreditar!

 

Agora é aguardar pelo resultado desta anarquia e rezar para que o dinheiro que o Costa pagou sirva para pagar a nossa electricidade... Eh... Eh... Eh... 

IMG_0169.JPG

A verdade é que agora estamos com medo com a conta que poderá vir aí... Enfim... É caso para se dizer: viva a organização que tanto caracteriza França... E todo o mundo desconhece!

CONTADO NINGUÉM ACREDITA

Lembram-se daquele episódio da minha vizinha, do terceiro andar, que decidiu lavar a varanda de mangueira?! Para aqueles que não se lembram, ou não chegaram a ler o post, podem sempre clicar aqui. Este post vem em seguimento desse dia e espantem-se com o que vou contar...

 

Ontem, de manhã, a campainha tocou... Corri para a porta, olhei para o R. com "cara de caso" e, desconfiada, abri um bocadinho a porta para ver melhor quem era: a nossa vizinha do terceiro andar!!! Mas que raio ela estava ali a fazer em plena quarentena obrigatória?! O cúmulo dos cúmulos.... Algo que tinha que contar aqui... Com o ar mais angelical de sempre tocou à campainha para me informar que ía lavar a varanda dela!!! 

 

Agora, perguntam vocês: Lavar a varanda?! 

Sim, lavar a varanda porque, segunda ela, "estava bom tempo e os filhos dela queriam aproveitar o tempo bom para brincar na varanda, e ela não tinha outra hipótese... Por isso, ía cair água no meu terraço..."! 

Nem queria acreditar no que ela acabava de me dizer, na lata que ela estava a ter em querer informar-me de uma coisa dessas... 

Diga-se de passagem que depois daquele episódio do ano passado, só tornou a fazer isso uma única vez, dois ou três dias depois da primeira vez... Depois disso, nunca mais voltou a fazê-lo, o email que na altura enviei para o Condominio resolveu logo o problema...

Mas ontem, lá apareceu ela, na minha porta, com o ar do cachorrinho mais manso a comunicar-me tal disparate... Respirei fundo e, baixinho, contei até três, enquanto o R. se posicionava, atrás da porta, para ouvir o que se iria passar... Respondi-lhe que isso estava fora de hipótese, que isso era totalmente proibido e que bastava pensar, um bocadinho, para ver que isso não tinha cabimento nenhum... Bastava olhar para os outros vizinhos para ver que ninguém fazia isso... Expliquei-lhe, que eu já tinha morado num segundo andar e jamais me passou pela cabeça limpar a varanda à mangueirada... Que haviam muitas formas de limpar a varanda sem colocar água nos vizinhos de baixo... Além disso, nós também estávamos em casa e queríamos aproveitar o bom tempo, e isso implicava usufruir totalmente do nosso terraço e do nosso jardim...

Apesar disso, e num tom de voz sempre calmo, ela teimava em dizer que não sabia então como iria fazer, pois um dos tubos da varanda dela tinha ligação para o nosso terraço e ela não tinha culpa... E que, se eu quisesse, podia subir para ir ver ao apartamento dela...

Sem perder a paciência, expliquei-lhe que não valia a pena (é óbvio que nunca iria subir, mesmo se não estivesse em quarentena...), e que podia perfeitamente limpar a varanda com uma esfregona, mas se achasse complicado, o melhor seria perguntar a um vizinho como é que eles o faziam... Terminei por lhe dizer, que não era nada de pessoal, e que bastava apenas ela trocar de posição comigo para ela ver que também não ía achar normal o que ela queria fazer...

Acabou por dizer que tinha alguma razão e que ía dar o seu melhor para não cair água cá para baixo... 

Agradeci pela compreensão, embora não fosse exactamente isso que me apetecesse dizer... Mas sabia que não valia a pena entrar em conflito... Muito menos nesta altura, em que estamos todos confinados a ficar em casa... Fiquei até com a impressão que ela achava que eu ía estar de acordo por ela ter tido a "gentileza" de me prevenir... Mas era óbvio que isso estava fora de questão, sabia perfeitamente que eu tinha razão e que se hoje abrisse uma excepção amanhã poderia tornar-se numa regra! 

 

O que é certo é que, desta vez, lá limpou a varanda sem molhar o nosso terraço, mas acho que não ficou muito satisfeita com a minha resposta... Vamos lá ver se ela percebeu, de uma vez por todas, que está fora de questão ela lavar a varanda como se não existisse ninguém nos pisos de baixo... Será que é tão difícil perceber?!

IMG_0898.JPG

SE CALHAR NÃO É CHIQUE

Ainda não consegui perceber porque motivo existem nos supermercados iogurtes de morango, maçã, limão, pêra, amora, mirtilo, baunilha, cereja, ananás, manga, pêssego, alperce, ameixa, figo, kiwi, romã... Sem falar de todas aquelas variedades que existem com duas ou mais frutas, com cereais e afins... E no meio de tanta variedade, imaginem o que é andar no corredor dos iogurtes, procurar, procurar, e tornar a procurar, e não encontrar os básicos IOGURTES DE BANANA!!! Acreditem que isto é mesmo verdade!!! Em 6 anos e tal que estamos aqui nunca encontrei os meus adorados iogurtes aroma de banana... 

 

Mas alguém me sabe explicar porque raio é que aqui não existem iogurtes de banana?! Se calhar não é chique, deve ser "coisa de pobre", como eu... (Eh... Eh... Eh...)

IMG_0533.JPG

DIZEM QUE É MAIS BARATO AO KILO...

IMG_0378.JPG

Não sei se realmente isto é prática corrente mas que achei esquisito achei... No outro dia, quando fui ao supermercado reparei que se vendiam panelas ao kilo! Fiquei tão parva a olhar para aquela promoção que tive que registar aquele momento...

Já tinha visto, na feira, pessoas a vender toalhas de casa de banho ao kilo, mas agora panelas... Nunca tinha visto tal coisa! Mas será que é mesmo mais barato?!

E vocês, já tinham visto? Ou é só por cá que isto acontece?!

IMG_0377.JPG

CONTADO NINGUÉM ACREDITA

IMG_0169.JPG

Hoje trago-vos mais um episódio da nossa vida que mais parece mentira... Começo a achar que tenho mesmo "que ir à Bruxa" pois parece que só a mim é que me acontece estas coisas...

 

Então é assim... Na passada terça-feira recebi um email da companhia de electricidade a informar-me que o contrato de electricidade tinha sido então cancelado tal como eu tinha pedido... Assim que abri o email, confesso que não valorizei, calculei que fosse um erro ou um vírus qualquer mas, sem saber bem porquê, não apaguei o email... Até que ontem tornei a receber um segundo email estranho... Um email dos correios onde me era enviado um selo para colocar na caixa os produtos que tinha que restituir à companhia de electricidade...  Naquele instante que abri o email não associei um email ao outro, e só quando estava a contar isto ao R., no final do dia, é que o "tico e o teco" fizeram um clique no meu cérebro e me fizeram acreditar que talvez houvesse mesmo um problema...

 

Como já era tarde e não dava para ligar para a companhia de electricidade, acabei por não ir ao site verificar se havia algum problema por lá relatado... 

 

Hoje de manhã, e já com mais calma, decido então entrar no site e qual não é o meu espanto quando abro a minha página pessoal e me deparo com a mensagem: contrato anulado, apenas tem acesso às últimas facturas de electricidade. Nem queria acreditar, afinal aqueles dois emails não tinham caído no meu email por mero acaso...

 

Assim que vejo esta mensagem, liguei de imediato para a companhia de electricidade para saber como é que o meu contrato tinha sido anulado se não tinha havido nenhum pedido da minha parte... Felizmente, do outro lado estava uma senhora bastante simpática (e que, diga-se de passagem, é bastante raro por aqui) que, ao fim de quase 30 minutos a analisar o meu dossier, confirmou que de facto o contrato estava cancelado desde Fevereiro de 2019 e estava agora no nome de um Sr. Costa... Mas como raio isto era possível?!

 

Assim que ela mencionou este apelido lembrei-me de ver nas caixas de correio este apelido português, e lembro-me que até comentei na altura com o R. que havia possivelmente um português que tinha acabdo de se mudar para o nosso imóvel... 

 

Ora, segundo ela, e não me perguntem como isto é possível porque nem eu consigo compreender, houve um erro na transmissão dos dados que fez com que o nosso contrato fosse cancelado e o Sr. Costa passasse a ser o novo "proprietário" e começasse então a pagar a electricidade consumida no nosso apartamento! 

 

O cúmulo é o contrato estar cancelado desde Fevereiro de 2019 e nós continuarmos a pagar a mesma mensalidade todos os meses... Alguém consegue perceber esta "salgalhada"?! Eu não... E confesso que não perdi mais tempo a tentar perceber como raio isto aconteceu, limitei-me a certificar-me que a electricidade não seria cortada e que tudo ficaria resolvido pois nunca tinha havido nenhum cancelamento da minha parte! 

 

Do outro lado da linha, a senhora garantiu que não precisava de me preocupar que tudo ficaria resolvido, pois tudo não tinha passado de um erro, e que no dia 29 de Julho seria contactada pelo serviço clientes para esclarecer melhor esta situação!

 

Felizmente, recebi o email bem antes de irmos de férias caso contrário teria ignorado completamente os emails e com um bocadinho de "sorte" teríamos a electricidade cortada quando regressássemos de Portugal...

 

É caso para dizer: contado ninguém acredita, não acham?!

CONTADO NINGUÉM ACREDITA

IMG_0100.JPG

Na passada quinta-feira passada fui fazer a última ecografia para saber então se o Martin estava bem posicionado para nascer... Com tanto calor disse ao R. que o melhor seria ficar em casa com o Gui pois tinha a certeza que iria estar um calor insuportável na sala de espera, sem falar do tempo de espera que iria haver... Não conhecesse eu o funcionamento do hospital...

 

Por uma questão de comodidade, e como já tinha falado num post anterior,  desta vez escolhemos a Maternidade que fica mesmo ao lado de casa, que pertence ao sistema de saúde público, sem falar que tem boa reputação (sempre ouvi muita gente a falar que o atendimento é muito bom)... Diga-se de passagem que pelo menos, até agora, tenho que concordar que, comparado com a Clínica onde o Gui nasceu (una Clínica do sector privado), esta Maternidade não fica em nada "atrás", pelo contrário, considero até que há um melhor acompanhamento de toda a gravidez...

 

No entanto, "há um grande se não" nesta Maternidade, o tempo de espera para realizar uma ecografia... Isto se a ecografia fôr realizada pelo Director do Serviço, que foi quase sempre o meu caso.... Nesse dia há que se estar preparada para se apanhar uma grandíssima seca...

 

Se nas últimas vezes, já achei um absurdo ter que esperar 2 e 3 horas, imaginem na quinta-feira passada... Um calor insuportável na sala de espera, sem luz (para não aquecer mais o espaço), com um mini ventilador ligado (que de nada servia), numa sala de espera repleta de grávidas, e eu com quase 38 semanas (9 meses!) ter que aguentar isto tudo durante 3 horas e meia!!!! É verdade, tive exactamente 3h30min para ser atendida e ter uma consulta de 3 minutos onde, basicamente, o médico apenas verificou com o ecógrafo se o Martin estava na posição cefálica!!! 

 

A boa notícia é que o Martin está bem posicionado para nascer, mas considero um absurdo este tipo de prática pois bastava fazer esta avaliação numa das consultas de rotina que vou... Tenho a certeza que muitas das grávidas que lá estavam, como eu, não precisavam de passar por este tipo de tortura, pois é simplesmente inadmissível este tempo de espera!!!

 

Com isto, eram quase 22 horas quando jantamos, pois assim que cheguei a casa a primeira coisa que fiz foi correr para o chuveiro! Por isso, se ouvirem pessoas a dizer que "na França o sistema de saúde é mais organizado", enganem-se... Aqui encontramos de tudo também... Infelizmente, já cheguei à conclusão que a má organização está em todo o lado... Era tão fácil evitar tanta coisa... Enfim...