Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

MÃE SOFRE A DOBRAR

DE CORAÇÃO PARTIDO...

Ja devem ter reparado que não publiquei o último post "O dia em que o nosso Mundo tremeu" nem escrevi mais nada no blog desde a última sexta-feira...

Infelizmente, no domingo passado, o Martin sofreu um acidente doméstico, por volta das 11horas, quando na brincadeira empurrava uma cadeirinha pequena, daquelas de madeira do Ikea, e esta virou e ele caiu com ela... Resultado: pensei que se tinha magoado na mão porque tinha ficado por baixo da cadeira, mas quando peguei nele ao colo e ele começou a esfregar a boca, vi que a mão ficou cheia de sangue... Afinal tinha sido mais grave, a cadeira tinha batido exactamente nos dois dentinhos da frente! O meu coração entrou em taquicardia (tenho a certeza que ultrapassou as 100 pulsações por minuto), por temer o pior...

O R. veio logo ter comigo e depois de examinarmos a boca dele, vimos que estava a sangrar ao nível das gengivas... Abraçámo-lo muito, demos-lhe muito miminho, e pensámos que não tinha passado de um grande susto... Cerca de uns 5 minutos depois, e ainda no colinho, sentimos um barulho de algo a cair no chão... A nossa suspeita estava certa: era um dentinho da frente, exactamente o incisivo central superior direito, que tinha caído!

 

Nem queríamos acreditar! Colocamos logo o dente em leite e procurei ligar a algum dentista que estivesse de urgência... Demos-lhe paracetamol para ele não ter dor, e fiz uma dezena de chamadas, para não sei quantos números de telefone, que encontrei no Google, mas acabei por ter que ligar ao número de emergência médica (15), porque nenhum consultório estava aberto ao domingo... Encaminharam-me a chamada para um dentista que me explicou que não havia nada a fazer por se tratar de um dente de leite, e que no dia seguinte teria que ir ao dentista para fazerem um Rx de controle...

Só queríamos acordar daquele pesadelo....

 

Entretanto o Martin começou a ficar com fome, e quando começou a comer reparamos que o dentinho do lado estava a mexer bastante... Estávamos incrédulos com aquela situação... Apesar de tudo, o Martin continuava super bem-disposto e cheio de energia... Comeu normalmente, e no fim foi dormir... Enquanto isso achei que deveria ser visto por alguém, caso contrário teria que faltar no meu primeiro dia de trabalho...

 

Uma vez que não havia nenhum consultório aberto, ligamos para as urgências do Hospital Universitário Pitié Salpêtrière, o maior hospital de Paris, para explicar a situação... Aconselharam-nos a passar nas urgências dentárias com o Martin, e foi exactamente isso que fizemos...

 

Ainda é esperamos quase 1 hora para ser atendidos, para o avaliarem e dizerem que o melhor seria ir no dia seguinte a um centro especializado para fazerem um Rx e extraírem provavelmente o dentinho... Deram-me um relatório médico e o contacto para onde deveria ligar... No dia seguinte, fui trabalhar, de coração apertadinho, pela consequências daquele acidente tão estúpido... Liguei logo às 9h, e consegui uma vaga para o próprio dia, mas como estava a trabalhar pedi para agendarmos a consulta no dia seguinte...

 

Não faltei no primeiro dia, mas faltei no segundo dia de trabalho, e só não faltei no primeiro porque não sabia se o Martin teria uma vaga de imediato... A dentista que nos atendeu foi super atenciosa e simpática, fez um raio-X ao Martin e detectou o que nós já prevíamos: o dentinho tinha que ser extraído! Deu-me a opção de o fazer noutro dia ou imediatamente, e eu preferi fazê-lo de uma vez... Tinha o Martin deitado em cima de mim enquanto ela o anestesiava com uma espécie de pomada, depois veio a parte pior, a parte de extrair o dentinho... 

IMG_1373.JPG

Confesso que me custou estar ali a segurá-lo, mas o meu coração sabia que era o melhor que eu podia fazer por ele naquele momento... Perguntei-lhe quais as soluções que haviam e disse-me que aos três anos, altura em que teria os segundos molares (os dentinhos de trás), poderia colocar uma prótese de forma a manter o espaço entre os dentes, ajudá-lo a comer melhor e para melhorar a imagem dele...

IMG_1372.JPG

Se tem algo que eu aprendi com a maternidade é que quando um filho sofre, nós sofremos a dobrar! É mais forte do que nós... É impossível olhar para eles e não sentir uma dor ainda maior... Quantas vezes desejamos que aquela dor passasse antes para nós... Sei que depois que fui mãe tornei-me ainda mais sensível, e se eu já era chorona, depois de ser mãe, tornei-me muito mais... Mas não me envergonho disso, muito pelo contrário, acho que é perfeitamente natural, porque ser mãe é também isso, é descobrir a maior dor de todas, talvez a maior dor do Mundo: a dor de ver um filho sofrer. Talvez essa dor seja assim tão forte porque sabemos que muitas vezes não temos os "poderes de super mãe" que gostaríamos de ter!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.