Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

BENS ESSENCIAIS...

Desde que a França declarou a quarentena obrigatória passamos a fazer todas as nossas compras online... Escolhemos os produtos, compramos e no dia indicado pelo site vamos ao Drive do supermercado levantar as compras. Isto até pode parece simples, mas não é...

A primeira dificuldade é sempre entrar no site. Somos colocados numa fila de espera virtual, e no final, na maior parte das vezes, não há disponibilidade no site para efectuarmos as compra, dado a afluência de pessoas... Resultado, começamos a tentar fazer compras num dia, mas só ao quinto ou sexto dia, e depois de várias tentativas em cada dia, lá conseguimos entrar.

O segundo problema é que ao efectuarmos as compras, na grande maioria das vezes, os produtos não são garantidos. Resumindo: fazemos as compras, pagamos, e no dia ficamos a ter conhecimento que metade dos produtos estavam esgotados. E isto acontece sempre nos produtos frescos, como o pão, os legumes e as frutas.

O terceiro problema é que as compras são feitas num dia e, muitas vezes, o levantamento acontece só passados 3 ou 4 dias. Por isso, é necessário prever com antecedência os produtos que nos vão faltar.

O quarto é que quando queremos um produto, existe um número limitado a comprar, o que implica fazer compras todas as semanas. Por exemplo:  se quisermos comprar quatro packs de leite, cada um com seis embalagens, o site só nos permite comprar três.

Com tantos "se nãos", hoje decidimos ir ao supermercado antes de passar no drive para levantar as compras (desta vez decidi ir eu, estava a precisar sair um bocadinho de casa), assim podia comprar mais alguns produtos e podia ver se compensava correr o risco de ir ao supermercado... Mas pelos vistos o fisco não compensa nadinha...

Primeiro, cheguei ao supermercado e havia uma fila enorme para entrar no supermercado. Sim, porque com as medidas de isolamento, só pode estar um certo número de pessoas dentro do supermercado (e eu contra isso nada). Felizmente, até chegar à minha vez esperei uns 10-15 minutos. 

Segundo, deparei-me com o pior cenário possível: todos os produtos considerados essenciais estavam completamente em ruptura de stock, com exceção dos legumes e das frutas! Peguei no telemóvel e decidi registar o que aqui se vive por este dias... Corredores e corredores vazios... Sem arroz, sem massas, sem pão de forma e afins, sem ovos, sem carne, sem queijo, sem farinha para fazer um pãozinho ou um bolinho... Fiquei incrédula com aquele panorama...

IMG_20200330_181044.jpg

IMG_20200330_181052.jpg

IMG_20200330_181751.jpg

IMG_20200330_182147.jpg

IMG_20200330_182331.jpg

E apesar dos inconvenientes todos de comprar online, cheguei à conclusão que mesmo assim compensa continuar a fazê-lo porque quando saí do supermercado levantei a encomenda no drive e tinha alguns produtos que na superfície comercial não havia... Mesmo assim, houveram muitos artigos que me ficaram a faltar!

 

E por aí, também se vivem momentos parecidos a este?!

O MUNDO VAI VOLTAR A GIRAR ❤️

Éramos felizes e não sabíamos...

Éramos felizes quando trabalhávamos sem medo, 

mesmo quando parecia não termos tempo para nada...

Éramos felizes quando podíamos visitar a nossa família,

os nossos amigos e até os nossos vizinhos...

Éramos felizes quando podíamos comer um gelado numa esplanada, passear na praia, sentir a brisa do mar, jantar num restaurante, festejar um Aniversário ou fazer um almoço em casa, na companhia dos nossos. 

Éramos felizes quando podíamos cumprimentar

com um beijo e um abraço  bem apertado...

Éramos felizes quando íamos às compras e saíamos à rua sem medo...

Éramos felizes quando podíamos passear, viajar, fazer um simples piquenique num parque sem termos hora para sair e para chegar..

 

Mas um dia o Mundo parou...

E muitos não quiseram "parar"...

Continuaram a achar que se tratava de uma brincadeira...

Que se tratava de uma simples "gripezinha", que só acontecia aos outros...

Mas desde quando uma "gripezinha" fechou fronteiras, encerrou escolas, cancelou vôos e eventos, e colocou milhares de pessoas em casa sem poder ir trabalhar nem sair à rua?!

Desde quando uma "gripezinha" matou tantas pessoas e impediu que as pessoas se pudessem despedir..?!

 

Basta!

É preciso acordar de uma vez por todas antes que seja tarde de mais...

É preciso mudar comportamentos, saber parar e escutar...

Vivemos tempos muito difíceis pois não sabemos quando 

o Mundo vai voltar a "girar"...

Apenas sabemos que precisamos que o mundo inteiro se una...

Que cada um cumpra o papel que lhe é pedido...

Pois se cada um fizer o que lhe é pedido, mais depressa voltaremos às nossas vidas... 

Mais depressa o Mundo vai voltar a girar!

IMG_0907.JPG

BOLACHAS VITAMINADAS

IMG_20200325_224901_583.jpg

Com o meu mini cozinheiro sempre pronto a ajudar, aproveitamos estes dias e fizemos umas bolachinhas super fáceis e saudáveis: bolachinhas de aveia com maçã, banana e raspa de laranja! Para quem quiser experimentar deixo aqui a receita...

 

Ingredientes

2 Bananas maduras

1 Maçã 

1 Chávena e meia de aveia

1 Chávena de côco ralado

Raspa de 1 laranja

Passas ou Pepitas de chocolate q.b. (colocamos passas porque o Gui não gosta de chocolate)

1 Colher de sopa de Azeite

 

1. Esmague as bananas e a maçã, e misture.

2. Junte os restantes ingredientes e misture bem.

3. De seguida, faça bolinhas e esmague com um garfo.

4. Num tabuleiro, coloque uma folha de papel de ir ao forno e disponha as bolachas. Leve ao forno pré-aquecido, a 180ºC, durante aproximadamente 25-30 minutos. Deixe arrefecer e sirva frio.

IMG_20200325_224931_199.jpg

VAMOS APRENDER FRANCÊS? #TERMOS DE SAÚDE#

Numa época em que se fala tanto da saúde, achei útil partilhar alguns termos desta área, quem sabe se não poderão a ser úteis...

IMG_0906.JPG

E já agora, nesta época de pandemia do Covid 19, nunca é demais relembrar: FICA EM CASA, que é como quem diz RESTE CHEZ TOI!

IDEIAS PARA FAZER COM OS MAIS PEQUENOS

Com estes dias fechados em casa, temos feito imensas actividades com o Gui, de forma a passarmos o tempo da melhor forma possível... Uma das coisas que ele adora fazer é pintar com pincéis, por isso demos asas à nossa imaginação e decidimos fazer uma minhoca...

IMG_20200320_164355.jpg

Para ser mais engraçado, o Gui pintou uma mão com tinta, utilizando duas cores à sua escolha...

IMG_20200320_163553.jpg

Depois, pegamos numa folha e começamos a esboçar o nosso desenho...

IMG_20200320_163926.jpg

No final, demos uns retoques finais com a ajuda de um pincel, fizemos o rosto e deixamos secar.

IMG_20200320_164607.jpg

Escusado será dizer que o Gui adorou a ideia!

 

O MARTIN FEZ 8 MESES

O Martin completou 8 mesinhos na passada terça-feira, exactamente no dia em que a França colocou o país de quarentena obrigatória... Mas falemos de coisas bem mais animadoras...

 

Fomos ao Pediatra, um dia antes, e ficamos a saber que pesa 9.200gr e mede 73 cm. Segundo ela, o Martin tem o peso e o tamanho de um bebé de 1 ano!

 

Cada vez mais fofo e cheio de energia, o Martin começou a ficar mais "refilão" e exigente... Começou a mexer-se muito mais, tanto que, não gosta de estar muito tempo no mesmo sítio, e quando se cansa de estar no chão ou na cadeira, começa a gritar e a agitar os bracinhos para pedir colinho.

 

Já consegue ficar sentado sozinho, e rolar sobre si próprio. Começou a tentar rastejar, por isso deixá-lo sozinho está completamente fora de questão... Se estiver apoiado com alguma pessoa, consegue ficar algum tempo de pé. 

 

Começou a bater palminhas e fá-lo de forma intencional, principalmente quando quer chamar a atenção. Começou também a acenar com o braço para dizer "chau", mas só o faz quando quer!

 

Descobriu que os brinquedos (e não só) são óptimos para atirar ao chão pois fazem imenso barulho, por isso quando está sentado na cadeira passa o tempo a atirar tudo ao chão e fica a olhar para o chão para ver se consegue lançar-se ao chão para os ir buscar.

 

Este mês apareceu o terceiro dentinho, o primeiro de cima, e em breve o quarto estará cá fora. Com isto, o sorriso do Martin está cada vez mais giro. Tentamos dar-lhe a primeira bolacha, e ele ficou tão entusiasmado que só queria trincar a bolacha em pedaços... Escusado será dizer que nos pregou um susto, pois tivemos que lhe tirar o pedaço da bolacha da boca e a partir daí começamos a partir a bolacha em pedacinhos bem pequeninos para ele começar a adaptar-se... A parte má dos dentinhos é que ele sofre imenso com isso, tanto que falamos com a Pediatra para saber se podíamos aliviar esta dor, e ela prescreveu um medicamento homeopático. 

 

Outra novidade foi a descoberta da pilinha, sempre que está no banho lá vai ele explorar esta parte do corpo.


Quanto à alimentação, o que mudou foi a introdução da sopa duas vezes ao dia, ao almoço e ao jantar, e a introdução de iogurtes e alguns alimentos sólidos (bolacha e pão). E se antes estranhava um bocadinho a sopa, agora adora comê-la, tanto que assim que chega a hora de comer fica todo contente e começa a gritar para lhe darmos logo... Os iogurtes não estranhou nadinha, adorou o facto de os começar a comer ao lanche, e não tem preferência por nenhum, gosta de todos os que provou (naturais, banana, pêra, baunilha, pêssego). As bolachas também foram fáceis de introduzir na alimentação, não tivemos qualquer dificuldade em relação ao paladar, pois adorou. Tentamos também o pão, três vezes, mas ele não gostou muito da consistência pois assim que lhe damos um pedacinho, tenta cuspir e começa a tossir.

 

No que diz respeito à amamentação o padrão de alimentação diurno alterou-se, de dia mama cerca de duas a três vezes, uma de manhã e  mais uma ou duas vezes à tarde. Nas noites a rotina pouco se alterou, continua a acordar a cada 2 ou 3 horas para comer. 

 

E perguntam vocês agora... E o que é que o Martin mais gosta?

O Martin vibra com a presença do Gui, delira com a hora de comer e do banho, adora ficar nu, tem um fascínio por cabelos (adora puxar cabelos), adora tocar no nosso rosto (fica tão contente que temos que ter cuidado, pois chega-nos a arranha sem querer) e começou a gostar muito mais de colo pois descobriu que dessa forma pode explorar melhor o mundo... Adora que lhe façam cócegas, adora jogar às escondidas, tem um fascínio pelos brinquedos do Gui, vibra com telemóveis e microondas, e adora tirar fotografias.

E o que é que o Martin não gosta?

Não gosta de estar muito tempo sozinho, não suporta estar com fome, não gosta de adormecer no colo (prefere adormecer no berço, pois lá consegue ter o espaço dele sem se sentir apertado), não gosta que o ignorem, não suporta ter a fralda com cocó, não gosta muito de dormir (faz cerca de duas sestas de dia, cada uma de 30-40 minutos) e não suporta que lhe tirem nada das mãos (principalmente quando ele está todo entusiasmado a brincar).

 

E é desta forma que o nosso Bonequinho se vai desenvolvendo, a um ritmo verdadeiramente alucinante... É estranho como, num segundo filho, o tempo parece passar ainda mais depressa... Por isso, temos procurado aproveitar o máximo dos máximos para que possamos ter recordações maravilhosas...

IMG_20200323_012029_016.jpg

CONTADO NINGUÉM ACREDITA

Lembram-se daquele episódio da minha vizinha, do terceiro andar, que decidiu lavar a varanda de mangueira?! Para aqueles que não se lembram, ou não chegaram a ler o post, podem sempre clicar aqui. Este post vem em seguimento desse dia e espantem-se com o que vou contar...

 

Ontem, de manhã, a campainha tocou... Corri para a porta, olhei para o R. com "cara de caso" e, desconfiada, abri um bocadinho a porta para ver melhor quem era: a nossa vizinha do terceiro andar!!! Mas que raio ela estava ali a fazer em plena quarentena obrigatória?! O cúmulo dos cúmulos.... Algo que tinha que contar aqui... Com o ar mais angelical de sempre tocou à campainha para me informar que ía lavar a varanda dela!!! 

 

Agora, perguntam vocês: Lavar a varanda?! 

Sim, lavar a varanda porque, segunda ela, "estava bom tempo e os filhos dela queriam aproveitar o tempo bom para brincar na varanda, e ela não tinha outra hipótese... Por isso, ía cair água no meu terraço..."! 

Nem queria acreditar no que ela acabava de me dizer, na lata que ela estava a ter em querer informar-me de uma coisa dessas... 

Diga-se de passagem que depois daquele episódio do ano passado, só tornou a fazer isso uma única vez, dois ou três dias depois da primeira vez... Depois disso, nunca mais voltou a fazê-lo, o email que na altura enviei para o Condominio resolveu logo o problema...

Mas ontem, lá apareceu ela, na minha porta, com o ar do cachorrinho mais manso a comunicar-me tal disparate... Respirei fundo e, baixinho, contei até três, enquanto o R. se posicionava, atrás da porta, para ouvir o que se iria passar... Respondi-lhe que isso estava fora de hipótese, que isso era totalmente proibido e que bastava pensar, um bocadinho, para ver que isso não tinha cabimento nenhum... Bastava olhar para os outros vizinhos para ver que ninguém fazia isso... Expliquei-lhe, que eu já tinha morado num segundo andar e jamais me passou pela cabeça limpar a varanda à mangueirada... Que haviam muitas formas de limpar a varanda sem colocar água nos vizinhos de baixo... Além disso, nós também estávamos em casa e queríamos aproveitar o bom tempo, e isso implicava usufruir totalmente do nosso terraço e do nosso jardim...

Apesar disso, e num tom de voz sempre calmo, ela teimava em dizer que não sabia então como iria fazer, pois um dos tubos da varanda dela tinha ligação para o nosso terraço e ela não tinha culpa... E que, se eu quisesse, podia subir para ir ver ao apartamento dela...

Sem perder a paciência, expliquei-lhe que não valia a pena (é óbvio que nunca iria subir, mesmo se não estivesse em quarentena...), e que podia perfeitamente limpar a varanda com uma esfregona, mas se achasse complicado, o melhor seria perguntar a um vizinho como é que eles o faziam... Terminei por lhe dizer, que não era nada de pessoal, e que bastava apenas ela trocar de posição comigo para ela ver que também não ía achar normal o que ela queria fazer...

Acabou por dizer que tinha alguma razão e que ía dar o seu melhor para não cair água cá para baixo... 

Agradeci pela compreensão, embora não fosse exactamente isso que me apetecesse dizer... Mas sabia que não valia a pena entrar em conflito... Muito menos nesta altura, em que estamos todos confinados a ficar em casa... Fiquei até com a impressão que ela achava que eu ía estar de acordo por ela ter tido a "gentileza" de me prevenir... Mas era óbvio que isso estava fora de questão, sabia perfeitamente que eu tinha razão e que se hoje abrisse uma excepção amanhã poderia tornar-se numa regra! 

 

O que é certo é que, desta vez, lá limpou a varanda sem molhar o nosso terraço, mas acho que não ficou muito satisfeita com a minha resposta... Vamos lá ver se ela percebeu, de uma vez por todas, que está fora de questão ela lavar a varanda como se não existisse ninguém nos pisos de baixo... Será que é tão difícil perceber?!

IMG_0898.JPG

PARA O MEU SUPER HERÓI...

O meu exemplo de vida...

O meu orgulho...

E a minha inspiração...

Para ti Papá!

 

Tu que tens um coração enorme...

Que amas incondicionalmente...

E que sempre lutaste para nos dar uma vida melhor...

Que sorte que temos em te ter nas nossa vida!

Que a vida continue a ser generosa connosco e te mantenha por muitos e longos anos juntinho de nós...

Feliz Dia do Pai, a ti, Papá...

Meu Super Herói Favorito!

Image-5307.jpg

PRIMEIRO DIA DE QUARENTENA OBRIGATÓRIA

Ontem foi o nosso primeiro dia de quarentena obrigatória... O Gui estava todo entusiasmado por estarmos todos em casa e na cabeça dele estávamos de fim-de-semana... Tornei a explicar-lhe de uma forma simples o motivo que nos levava a estar todos em casa, que teria que ter paciência pois teríamos que ficar muitos dias fechados em casa, sem ir à escola, ao parque, sem andar na rua, sem ir às compras... Acho que lá no fundo ele conseguiu perceber que o assunto era sério e nem se opôs a nenhuma das proibições... 

 

De manhã, tentámos fazer algumas compras online de alguns produtos alimentares que nos faltavam, pois ir ao supermercado estava fora de questão, sabíamos que as prateleiras deviam estar todas vazias... Mas mesmo na internet a missão parecia impossível... Todos os sites de supermercado tinham as páginas em manutenção devido à forte afluência... Felizmente, no final da tarde acabamos por conseguir encomendar tudo online... Não compramos 300 litros de leite, nem 200 pacotes de papel higiénico, apenas compramos aqueles produtos que nos fazem falta, e que nos vão faltar brevemente... Pão, frutas, legumes, iogurtes, bolachas... Agora que estamos todos confinados a ficar em casa, e com o Gui sempre a querer petiscar, fica um bocadinho mais complicado saber as quantidades que vamos precisar... O único "se não" foi termos apenas acesso aos produtos no próximo sábado tarde... 

 

Como o Martin fazia 8 mesinhos o dia acabou por ser de festa... Fizemos o bolinho do "mesário" para celebrar esta data, tal como é habitual...

IMG_0892.JPG

E ao longo do dia, fizemos questão de manter contacto com os nossos familiares e amigos... Sabemos que este foi apenas o primeiro dia de muitos, e embora para muitas o ossa parecer fácil estarmos de quarentena obrigatória, acreditem que tudo isto faz-nos reflectir sobre o rumo das nossas vidas... Tenho que confessar que estar longe da maior parte das pessoas acaba por se tornar um bocadinho assustador, principalmente quando essas pessoas encontram-se em países diferentes...

"ESTAMOS EM GUERRA"

Tínhamos programado em Janeiro a nossa viagem surpresa a Portugal, sabíamos o que tinha acontecido na China, mas mesmo assim tenho que confessar que nunca pensei que a Europa fosse também afectada da mesma forma... Por isso, apanhamos o avião rumo a Portugal e nem pensei muito no assunto... E durante todo o tempo que estivemos em Portugal, andei completamente despreocupada... Não andamos em grandes festas, mas fizemos algumas visitinhas breves... Mas essa despreocupação era geral, tão geral que só comecei a sentir que este assunto ganhava uma outra dimensão um dia antes da nossa viagem de regresso, quando a França anunciava que as creches, as escolas e as universidades íam ser encerradas a partir de segunda-feira... Ainda houveram familiares e amigos que me perguntaram se regressávamos a França mesmo com todos os riscos, mas para mim fazia todo o sentido voltar porque não podíamos deixar o R. sozinho... Nessa altura, ainda sentia confiança para viajarmos os 3, porque não havia nada à minha volta que me mostrasse o contrário... 

 

E assim foi, apanhamos o avião da TAP, na passada sexta-feira... Não houve qualquer controlo, nem nenhuma medida especial, tanto no Porto como em Paris... Chegamos aqui e o ambiente era completamente normal, ninguém parecia estar sensibilizado para o assunto... Mas eu já vinha com um certo receio perante estas medidas e os números de pessoas infectadas, que aumentavam todos os dias, e tinha decidido que o melhor era ficarmos em isolamento social... 

 

O R. foi às compras sozinho no sábado... Dizia que estava praticamente tudo normal, ninguém tinha mudado comportamentos, nem rotinas, e eu começava a ficar preocupada... À noite, anunciavam-se o encerramento dos restaurantes, bares, cinemas e todo comércio não alimentar, exceto as farmácias... E eu ficava cada vez mais preocupada, porque partilhávamos mensagens nas redes sociais e descobria que lá fora o mundo não tinha parado, as pessoas achavam que o encerramento das escolas era sinónimo de férias com os filhos, festas com os vizinhos e passeios em família...

 

Depois, ainda houveram as eleições municipais... E os franceses pareciam continuar a não querer ver o óbvio... Acho que apenas havia um único medo: que a comida e o papel acabasse... E isso eu vi hoje, quando no final do dia fui às compras e as prateleiras estavam todas vazias... Sim, TODAS VAZIAS... Confesso que senti-me no meio de uma guerra...

 

Perante tamanha IRRESPONSABILIDADE social, a França viu-se obrigada a mudar de estratégia... E hoje, às 20 horas locais, o Presidente da República - Emmanuel Macron - anunciou uma série de medidas radicais que as pessoas terão de cumprir sob pena de serem punidas...

 

Basicamente estamos todos de quatentena obrigatória a partir de amanhã, durante pelos menos 15 dias... Apenas as deslocações estritamente necessárias serão permitidas, sob controle das forças de segurança, as fronteiras da União Europeia (UE) e do Espaço Schengen (formado por 26 países em que a circulação de pessoas é livre) serão fechadas durante 30 dias, e todas as viagens entre países europeus serão suspensas...

 

A França vê-se agora obrigada a parar para conseguir lutar contra este inimigo invisível...  "ESTAMOS EM GERRA", repetiu Macron muitas vezes, ao longo do discurso que fez hoje... Uma guerra onde o inimigo é invisível e está em franca expansão... Uma guerra onde precisamos que todas as pessoas estejam mais unidas que nunca... Uma guerra onde apenas é pedido às pessoas para ficarem fechadas em casa, enquanto que os profissionais de saúde lutam por um inimigo invisível que nem eles conhecem!

IMG_20200316_230711_019.jpg

Nós vamos dar o nosso melhor por esta luta, e vocês?!

A MATERNIDADE SELECCIONA OS AMIGOS

A maternidade muda mesmo muita coisa na nossa vida, atrevo-me a dizer que nos torna mais solitárias... De repente o bebé nasce, e os amigos aparecem, mas no mesmo instante desaparecem também... O marido recomeça a trabalhar, e aqui, isso acontece logo ao fim de três dias... E de repente, ficamos sozinhas, com um bebé pequenino que depende 100% de nós e que precisa da nossa atenção 24 horas por dia, 7 dias por semana... Nesse momento, deparamo-nos com a solidão... Falo dos amigos... Há amigos que ficam, outros que vão e outros que chegam... 

 

Descobri que as amizades mudam depois da maternidade... Depois de sermos pais tudo muda, e há alguns amigos que não vão perceber isso, principalmente por ainda não terem filhos.

 

Mas será que podemos ser as mesmas depois de sermos mães? 

Os nossos horários deixam de ser nossos e passam a ser geridos em função do bebé... Se tem que mamar, se está a dormir, se está com cólicas, se está sujo, se está a chorar, se está cansado, se tem que tomar banho ou está doente... E de repente, não podemos ir aquele almoço, chegamos atrasados àquele evento importante ou simplesmente cancelamos no último minuto... Certo é que nós próprias mudamos, somos obrigadas a deixar para trás certos hábitos de uma vida a dois, deixamos de estar sempre disponíveis e estabelecemos novas metas e prioridades... Tudo em função daquele ser pequenino... Dificilmente os amigos que não têm filhos compreendem isso e até criticam o "poder" que o bebé "exerce" sobre os pais... E nós, claro, ficamos tristes com a falta de compreensão desses amigos...

 

Depois esse bebezinho cresce, ganha um irmãozinho e os amigos afastam-se mais... Se até ali não tínhamos muito tempo, depois passamos a ter bem menos... Se até ali a nossa vida girava em função de um bebé, depois passa a girar em função de dois... Se com um bebé os amigos não compreendiam a nossa mudança nos nossos hábitos de vida, com dois passa a ser pior...

 

Mas nem tudo é mau... Há amizades que vão querer ficar... E essas pessoas até podem estar longe, mas vão estar presentes, e vão enviar mensagens a perguntar como estás, e vão te ligar em video chamada mesmo que tu só possas atender à terceira ou quarta tentativa... E por incrível que possa parecer, aqueles amigos que já são pais e que estavam mais afastados, aproximam-se... E começas a recuperar essas amizades... Depois, ainda surgem pessoas que vimos poucas vezes na vida, ou que até nunca vimos, e que começam a conversar connosco virtualmente sobre temas da maternidade, como se fossemos amigas de infância... Quem é mãe sabe do que falo... Só uma mãe é que compreende realmente outra mãe...

 

Acredito que a maternidade não afasta os amigos, apenas os seleciona... Felizmente, ainda existem pessoas que nos vão compreender e vão escolher manter-se ao nosso lado, independente desta nossa mudança de vida... Desta nossa correria, do nosso pouco tempo disponível, e da nossa "ausência"…

 

Por muito que nos custe que alguns amigos se afastaram, sabemos que a vida é mesmo assim, um comboio cheio de chegadas e partidas, onde não sabemos quem vai subir ou descer na próxima estação... Quem sabe se um dia aqueles amigos que se afastaram vão tornar a voltar, assim que forem pais, talvez nesse dia eles vão reconhecer que a maternidade muda a vida completamente!

IMG_0876.JPG

VAMOS APRENDER FRANCÊS? #PASTELARIA FRANCESA#

Dado que esta semana não irei partilhar nenhuma receita, achei oportuno publicar esta imagem que faz referência aos principais doces da pastelaria francesa. Agora, quando vier para estes lados, já vai saber dizer o nome dos docinhos das vitrinas das pastelarias...

FB_IMG_1568812808353.jpg

REALIDADE...

IMG_0460.JPG

Encontrei esta banda desenhada algures na internet, e por ser tão semelhante à realidade achei que devia partilhar com vocês...

Para ser mais completa, acrescentaria na legenda e nas imagens o avô também, pois também ele faz parte desta nova geração de "super avós"!

Eh... Eh... Eh...

E por aí, também acontece o mesmo?!

COLECIONANDO MEMÓRIAS ♥️

O meu Pai tinha programado ir a Portugal uns dias, e nós queríamos aproveitar o momento para fazer uma surpresa aos avós... Havia apenas o inconveniente de não podermos andar em loucuras, até porque eu não estou a trabalhar... O R. andava sempre a dizer que nós havíamos de ir, e claro que eu até gostava da ideia... Um dia o R. fez uma pesquisa e as viagens de avião estavam baratas para o mesmo período que o meu pai ía, e disse-me para irmos os 3, pois ele não tinha férias para nos acompanhar... E nesse dia assim fizemos, compramos os nossos bilhetes de avião, pela TAP, apenas com duas malas de mão, duas malinhas de 8kg para mim e os meus dois Bonequinhos... O R. ainda me disse que era uma loucura da minha parte ir apenas com duas malas de mão, mas eu decidi arriscar... 

 

Tinha a experiência da nossa primeira viagem a 3, no Natal, que até tinha corrido bem... No dia anterior, fiz as malas, seleccionei o que era realmente indispensável para levar, avisei na escolinha do Gui que ele ía estar ausente uns dias e informei o Gui que íamos viajar (não lhe disse antes pois corria sérios riscos dele contar aos avós)... Depois, com a ajuda da minha irmã mais nova e do meu cunhado, arranjamos um plano para eles nos irem buscar ao aeroporto e a minha mãe aparecer na casa deles... 

 

E assim foi na quarta-feira passada... Apanhamos o avião às 7h, a TAP não colocou qualquer problema em mandar as nossas malas de mão para o porão... Desta vez, além do Sling, levei também um carrinho de bebé... E foi assim que embarcamos na nossa nova aventura a 3... Eu, o Gui, o Martin, um carrinho de bebé, um sling, uma mochila às costas e duas malas de mão...

 

Foi a viagem de avião mais atribulada de sempre, não pelo Gui nem pelo Martin, mas pelas situações que aconteceram durante o voo, mas isto ficará para um próximo post... Só posso dizer que a equipa da TAP foi 5 Estrelas, e nós acabamos por ter uma viagem impecável a 3...

IMG_20200306_181015_224.jpg

Chegada a hora da surpresa, escusado será dizer que foi muito bom ver o sorriso no rosto, estampado na cara de cada pessoa, assim que nos viram... Agora é rentabilizar o tempo da melhor forma possível, pois sabemos que ele passa depressa demais...

Pág. 1/2