Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

SE ISTO NÃO É AMOR, O QUE SERÁ?!

Esta semana o Gui ficou sem ama (falarei deste assunto um dia destes...) por isso hoje eu fui trabalhar e ele ficou na casa de um dos nossos amigos... Mas que dia feliz ele teve, foi a primeira vez que esteve um dia completo na companhia de um animal de estimação...

 

Durante o dia, a minha amiga ía-me enviando fotografias e vídeos, que me deixaram completamente rendida... Tão rendida, que achei que tinha que partilhar com vocês uma dessas fotografias...

IMG_7474.JPG

O Gui a dormir e a Mia, com o olhar mais apaixonado, a velar pelo sono dele!

 

E se alguém ainda tem dúvidas, depois desta semana, eu tenho cada vez mais certezas que os animais "já nascem sabendo amar de um jeito que nós levamos a vida inteira para aprender!" 

ATÉ SEMPRE WILLY!

image.jpeg

O Willy era o cão dos meus pais, mas era como se fosse meu também... Era um cão diferente de todos os outros e não existia em lado nenhum um cão igual a ele, pelo menos nunca vimos nenhum!

 

Era arraçado de um Husky Siberiano, a mãe era de raça e o pai um rafeiro, por isso tinha as principais características da raça: um olhos azul e outro castanho, a pelagem comprida e espessa e, só sabia uivar. O tamanho esse era, como nós dizíamos carinhosamente, do "tamanho de um banco de cozinha": comprido, baixinho e gordinho, mas com uma agilidade e uma força incríveis!

 

Tinha mais ou menos 1 ano quando veio para a casa dos meus pais, pertencia a uns primos nossos que viviam numa casa com pouco espaço e que tinham pouco tempo para estar com ele, e decidiram dá-lo... Daí a te ter vindo para a casa dos meus pais foi um saltinho... 

 

Lembro-me, como se fosse hoje, o dia em que ele chegou lá a casa... Atrevido, desobediente, cheio de energia, louco por água e por crianças, um devorador de comida, obsecado pelas galinhas da minha mãe e pelas ovelhas de uma vizinha (que estavam sempre a pastar num campo ao lado da nossa casa)... Mas, no fundo, um verdadeiro fofo!

 

Para sempre ficam as duas histórias mais hilariantes que passamos com ele:

- a primeira noite que ficou lá em casa e descobrimos que só sabia uivar. Na altura os meus pais tinham outro cãozinho, por isso, assim que este ladrou ele tentou imitá-lo mas só conseguia uivar... Com o tempo, e à força do treino, aprendeu a ladrar e nunca mais soube uivar;

 

- e o dia em que o portão da entrada na casa dos meus pais avariou e ficou aberto e o Willy deciciu fugir em direcção às ovelhas da minha vizinha, e estas foram parar à Estrada Nacional! Na altura não teve piada nenhuma pois o desfecho podia ter sido trágico, felizmente não foi o caso, mas à conta deste episódio a minha mãe ficou em pânico e o Willy ficou "preso" durante muito tempo.

 

A característica que o distinguia de todos os outros cães que tivemos, para além do seu porte físico, era o facto deste adorar comer tudo... Ninguém podia comer à frente dele, era uma verdadeira criança, tudo o que estivessemos a comer ele também tinha que comer... E quando digo tudo, é tudo mesmo! Desde banana, a laranjas, passando por pipocas e tudo o que possam imaginar, o Willy tinha que comer também! 

 

Foram 16 aninhos cheios de aventuras e amor...

 

Partiu este madrugada, depois de ter começado a perder muita da sua vitalidade há cerca de um ano e meio... Ouvia mal, via mal e deslocava-se com muita dificuldade. Mas nesse tempo, e apesar de todas as dificuldades que ele tinha, houve uma coisa que nunca deixou de fazer: comer! Muito mais selectivo e requintado, nunca perdeu o apetite, e mesmo ontem, dizia a minha mãe, comeu como se não fosse partir... Mas partiu, durante a noite, num sono onde nunca mais acordou... 

 

Até sempre querido Willy!