Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Nossas Voltas

A vida dá muitas voltas, e foi numa dessas voltas, que nos tornamos emigrantes e viemos parar a Paris. Um blog sobre um pouco de mim, um pouco de nós, o dia-a-dia e não só.Simples mas cheio de ternura e dedicação!

CANCALE: LA POINTE DU GROUIN

Cancale.jpg

Cancale (Kankaven, em bretão) foi a terceira cidade que conhecemos no famoso fim-de-semana. Uma cidade bem pequenina, situada no departamento Ile-et-Vilaine, na região da Bretanha, entre a Baía do Mont St-Michel e St Malo, conhecido pela sua "cultura" de ostras e turismo.

 

Daqui é possível avistar o Mont Saint Michel e, talvez por isso, existe uma rua com o seu nome neste local.

DSC08938.JPG

Não passamos no centro desta cidadezinha, preferimos avistá-la de longe ao "passarmos de carro" (pelo que a foto que se vê em primeiro foi retirada da internet) e explorar antes a principal atracção desta zona: La Pointe du Grouin

 

 

EXPLORANDO A BRETANHA: FOUGÈRES

A ideia de conhecer algumas cidades da Bretanha (em francês, Bretagne) já pairava a algum tempo no nosso pensamento, por isso, juntamos uns amigos, escolhemos algumas cidades e partimos à descoberta desta magnífica região. 

 

A Bretanha é uma região que se situa a oeste da França e que possui a maior costa que fica entre o Canal da Mancha e o Oceano Atlântico. A região divide-se em 4 departamentosIle-et-Vilaine, Cotes d'Armor, Morbihan e Finistère, tem como capital a cidade de Rennes e os seus habitantes chamam-se bretões.

image.jpeg

A França, que conhecemos hoje como nação unitária e cultura singular foi, na verdade, a maior parte da História uma terra de diferentes culturas, línguas, e identidades políticas diferentes. Só para se ter uma ideia, a Bretanha só começou a pertencer ao reino francês em 1532, após a filha do duque da Bretanha — Anna da Bretanha — casar-se com o rei francês Luís XII. Mas mesmo depois disto, esta guardou parte da sua autonomia e era tratada como um reino distinto, ainda que sob a mesma coroa. Por isso, a região faz questão de conservar as suas antigas e fortes tradições. 

 

Uma região única marcada pelas suas aldeias de traço medieval e portos pesqueiros, conhecida pela sua famosa gastronomia em toda a França, pelos seus crepes doces e salgados feitos à base de farinha escura, bolos e biscoitos deliciosos (entre eles, o famoso bolo de manteiga, o Kouign Amann), frutos do mar (sobretudo ostras), e talvez a mais antiga tradição de fabrico de sidra de maçã (bebida fermentada de maçã com baixo teor de álcool, 4 a 5 graus, em geral).

 

Hoje a Bretanha possui 7 aeroportos: Brest, Rennes, Dinard, Saint-Malo e Lorient-Lann Bihoué; e uma rede ferroviária formada por 3 linhas que partem da capital, Rennes (Rennes - Brest: via St-Brieuc, Guimgamp, Morlaix; Rennes - Quimper: via Vannes, Auray, Lorient; Rennes - St-Malo: via Dol de Bretagne).

 

Além do francês também se fala, uma língua céltica, o bretão, daí que muitas das vezes se encontre na rua a sinalização nas duas línguas.

 

Quando se pergunta a um bretão qual é a sua nacionalidade, a primeira resposta que ele dará é: “sou da Bretanha” e só depois é que dirá  “sou francês”!

 

 

FOUGÈRES

Fougères foi a primeira cidade que conhecemos, uma típica cidade medieval situada no departamento Ile-et-Vilaine.

DSC08704.JPG

 

 

A SEGUNDA MARAVILHA DA FRANÇA

DSC08827.JPGTal como prometido vou começar a desvendar um bocadinho do nosso fim-de-semana passado... Achei que seria mais produtivo dividir as cidades em vários posts, uma vez que ficaria demasiado longo expôr tudo num só.

 

Por isso, optei por começar a escrever sobre o nosso segundo destino, o segundo lugar mais visitado em França, a seguir a Paris, o Mont Saint-Michel (em português, Monte São Miguel), um lugar encantado da França situado no litoral norte, a cerca de 360km a oeste de Paris, na região da Baixa Normandia, no departamento da Mancha, na foz do RioCouesnon.

 

A história deste local é bastante interessante, diz a lenda que o bispo Aubert (Santo-Aubert) da cidade de Avranches, fundou um santuário no ano 708 no Mont-Tombe (antigo nome do Mont Saint-Michel), após três aparições do arcanjo Saint Michel (São Miguel). Mais tarde, no século X, os monges beneditinos instalaram-se no santuário e uma pequena vila foi-se formando aos seus pés.

 

 

 

MALA DE MATERNIDADE

mala para a maternidade.jpg

Chegou a hora de começar a fazer as malas para a maternidade... Confesso que ainda não tenho nadinha de nada preparado, o tempo passou tão rápido que de repente vejo-me ainda com uma série de coisas pendentes, mas o melhor disto tudo é que continuo tranquila como se ainda tivessemos muitos meses pela frente!

 

Os "teóricos" dizem que é a partir da 32º semana de gestação que o casal deve começar a preparar as malas para levar para a maternidade, de forma a garantir que, no dia, se leve o essencial para o conforto da mãe e do bebé. 

 

Para a mala, não existe um tamanho ideal, há quem leve 1 mala com a roupa toda junta, da mãe e do bebé, e há quem leve duas malas, de forma a levar as coisas em separado... Eu pessoalmente, pensei em duas malas pois acho que fica bem prático!

 

De forma a facilitar as coisas, o melhor será colocar no topo da mala, em saquinhos individuais, fazendo uma espécie de kit:

- a primeira roupa que o bebé vai vestir (um body de manga comprida, um babygrow, um par de meias, um casaquinho, um gorro, uma fralda descartável e uma gigoteuse);

- e a roupa da mãe que irá utilizar logo após o parto (uma camisa de noite, um par de cuecas, um soutien de amamentação e um penso higiénico).

 

Como normalmente o tempo de internamento é de 3 a 4 dias e, para facilitarmos ainda mais as coisas, pensei em fazer mais uns kits, numerados e identificados com etiquetas, para os outros dias também (2º dia, 3º dia... etc), desta forma a tarefa do papá na hora de procurar a roupa para o bebé será bem mais fácil!

 

 

LISTA DE PRODUTOS A LEVAR PARA A MATERNIDADE

 

ESTAR GRÁVIDA EM FRANÇA É...

image.jpeg

Olharem para ti, verem a tua enorme barriga saliente e fazerem de conta que nada se passa... Até aqui tudo normal, não fosse o facto de estar numa caixa prioritária, de um supermercado, e ninguém querer saber disso, nem mesmo a empregada da caixa!

 

Hoje foi mais um desses episódios... Inclusivé o senhor que estava atrás de mim fez questão de me alertar: "olhe que a senhora tem prioridade sobre esta gente toda que está na caixa". Como não estou para me "chatear" respondo-lhe que não tem importância pois já me habituei a que ninguém cumpra nada disso aqui em França. Apesar da minha resposta, e não contente com a situação, o senhor, dirige-se ao casal que estava à minha frente e diz-lhes: "esta senhora tem prioridade", claro que não valeu de nada... A senhora olha para mim com cara de quem não estava a perceber e ainda tem a lata de responder: "se calhar, até tem", e nisto seguem a sua vidinha, ignorando-me por completo.

 

Nunca faço questão de passar  à frente, mesmo onde supostamente tenho direito, mas confesso que esta falta de civismo me incomoda profundamente! 

ANTES DO GUI NASCER...

saint michel e bretanha.jpg

Este vai ser talvez o nosso último fim-de-semana "fora de casa", antes do Gui nascer, aproveitamos que ainda estou em "forma" para conhecer um bocadinho mais do norte da França.

 

Não vou entrar em muitos mais pormenores, passei só para vos deixar um gostinho das cidades que planeamos conhecer... E como devem ter reparado (olhando para a fotografia acima), vamos visitar um dos lugares mais badalados da França: o Mont de Saint Michel!

 

Só espero que a Primavera seja nossa amiga e nos brinde com um fim-de-semana cheio de sol.

TENHO UM ACROBATA DENTRO DE MIM!

image.jpeg

Esta semana tem sido uma loucura, o Gui mexe tanto e tanto que nunca o senti assim tanto como agora! Agora posso senti-lo nitidamente e consigo interagir com ele como nunca, é uma sensação tão boa que dá vontade de "fazer miminhos" na barriga a toda a hora. 

 

O problema é quando ele decide fazer acrobacias a sério, estica-se tanto em direcção às minhas costelas que sou obrigada a colocar a minha mão para me proteger.

 

Normalmente de manhã anda todo sossegadinho, acho que sai a mim, um bocadinho dorminhoco... Depois, por volta das 16h-17h, até eu ir dormir (entre as 23h30 e as 00h), fica super-activo e faz da minha barriga uma verdadeira piscina olímpica.

 

Desde a última vez que escrevi, a falar sobre a minha gravidez, a minha barriga não tem parado de crescer, e tem crescido tanto que, pela primeira vez, sinto-me uma verdadeira barriguda!

 

E é assim que eu me sinto, às 34 semanas de gravidez: barriguda e super-feliz com o meu pequeno acrobata... Tão feliz que hoje decidi registar em fotografia o que o meu coração sente cá dentro...

image.jpeg

ALEMANHA: HECHINGEN E KONSTANZ

image.jpegTal como havia prometido hoje partilho com vocês um bocadinho daquilo que visitámos na Alemanha, durante as nossas mini-férias da Páscoa: o Castelo Hohenzollern e a bela cidade de Constança.

 

Tinhamos programado, com os meus pais, a minha irmã e uns amigos do meu pai, irmos explorar um bocadinho mais da Alemanha, na sexta-feira de Páscoa, por isso nem a chuva miudinha e o frio nos fez mudar de planos...

 

Saímos de Stuttgart em direcção a Hechingen, uma cidade situada também na região de Baden-Württemberg, a 50km de Stuttgart, com o objectivo de conhecer um dos mais belos castelos do Sul da Alemanha: o Castelo Hohenzollern (em alemão, Burg Hohenzollern).

castelo de hechingen 1.jpg

 Castelo de hechingen.jpg

O Castelo de Hohenzollern (em alemão, Burg Hohenzollern) é um palácio fortificado que fica no alto de uma montanha de 855 metros de altura.

 

 

É DESTA QUE LAVO A ROUPINHA DO GUI

lavar a roupa do bebé.jpg

Ontem a Primavera decidiu, finalmente, brindar-nos com um dia quentinho de sol e, pelo que parece teremos mais dois ou três dias assim (se bem que eu espero que sejam bem mais), por isso decidi que é hoje que começo a lavar a roupinha do Gui, pois com 33 semanas de gravidez já está na hora de começar a fazê-lo! 

 

É tanta coisinha pequeninha, que até já estou a imaginar a trabalheira que vou ter em colocar cada pecinha daquelas no estendal... Hum... Não me importava nadinha que alguém me substituisse nesta tarefa tão "miudinha". 

 

Para quem não sabe, existem alguns cuidados a ter em conta na hora de lavar as roupinhas do bebé, isto porque nos primeiros meses de vida o organismo do bebé é tão sensível e está tão desprotegido, que qualquer substância química ou bactéria presente, nas roupas, pode trazer uma maior predisposição para alergias ou problemas de saúde bem mais sérios.

 

Felizmente hoje não temos necessidade de lavar a roupa à mão e com sabão rosa, as máquinas de lavar roupa são tão seguras que acabam por nos facilitar imenso a vida... Nem quero imaginar como era antigamente...

 

Mas mesmo lavando a roupinha do bebé na máquina de lavar, existem alguns cuidados a ter, e os quais eu eu achei importante partilhar com vocês:

  • todas as roupinhas devem ser lavadas à parte da roupa dos adultos, seguindo as instruções das etiquetas das roupas (e tal como nos adultos, devem-se separar as cores brancas das restantes cores);
  • deve-se utilizar um detergente próprio para lavar roupas de bebé, que seja neutro, usando a dosagem dos produtos corretamente (existem vários tipos de detergente nos supermercados);
  • não se deve utilizar amaciador (os detergentes para bebés são suaves o suficiente);
  • devem-se ser colocadas a secar no estendal e à sombra (a máquina de seca não costuma deixar a roupa macia, o que altera a sensação que o bebé terá do toque ao tecido; e o sol não é indicado pois deixa a roupa mais áspera além de danificar a longevidade das cores);
  • e devem ser passadas a ferro de vapor (não é recomendado o uso de nenhum produto).

 

E claro, estes cuidados devem ser seguidos pelo menos nos 3 primeiros meses do bebé, quando as defesas do bebé ainda estão bastante diminuídas.  

CROISSANTS COM MAÇÃ E CANELA

image.jpeg

Este fim-de-semana decidi inovar nas sobremesas, fiz uma receitinha bem simples e prática, tirada da minha imaginação: croissants com maçã e canela.

 

Na verdade, cá em casa adorámos a fusão destes dois ingredientes, daí que a ideia surgiu naturalmente! Para quem quiser experimentar, aqui fica um docinho bem simples e rápido de ser fazer... 

 

 

Ingredientes

1 massa folhada (forma redonda)

2 maçãs

Canela em pó (q.b.)

Açúcar amarelo (q.b.)

1 gema de ovo

 

1. Comece por descascar as maçãs e corte-a em pedacinhos pequenos.

2. De seguida, polvilhe, generosamente, as maçãs com canela e açúcar, e reserve.

2. Abra a massa folhada e corte a massa em fatias (como se fossem fatias de pizza finas, deverá ter 16 pedaços).

3. Na parte mais larga de cada fatia coloque um bocado do preparado de maça, de forma a distribuir o recheio por todas as fatias.

4. Enrole as fatias começando pela parte mais larga. 

5. Mantenha os folhadinhos na mesma folha de papel onde vem a massa folhada, pincele-os com a gema do ovo, previamente batida.

6. Leve ao forno, pré-aquecido a 180ºC, num tabuleiro por 20 minutos, ou até dourarem. 

7. Sirva quente.

image.jpeg

 Bom apetite!

ISTO É SER EMIGRANTE

image.jpeg

Há pessoas que pensam que a vida de emigrante é fácil pois não imaginam o quanto é difícil estar longe daquelas pessoas que amamos, isto porque nunca saíram da sua "zona de conforto" para ir à luta de uma vida melhor, num país que não é o nosso.

 

Há quem se queixe que trabalhe longe e só pode ir ao fim-de-semana a casa para estar com a família e os amigos, eu também já fui uma delas, mas acreditem que é muito mais difícil estar a 1700km de distância, e só poder estar com quem amamos duas ou três vezes por ano.

 

Cada vez que comprámos uma viagem para ir à "nossa terrinha", contámos os dias e as noites, de forma decrescente, mesmo que faltem meses, para que esta espera pareça menos demorada...

 

E se hoje estamos aqui, é porque infelizmente Portugal não nos oferecia a vida estável que tanto precisávamos... É preciso tomar decisões, lutarmos por algo melhor, e acreditarmos que no final tudo irá dar certo! Mas acreditem, que há dias bons, há dias menos bons, há dias em que sabemos que isto é o melhor para nós, e há outros em que duvidamos se vale a pena estar aqui... 

 

Estes dias, navegando pela internet, encontrei um vídeo da conhecida actriz Mafalda Pinto, conhecida da novela "Morangos com Açúcar", sobre o que é "Ser Emigrante" (desconhecia que também ela tinha emigrado). Ao ver o vídeo, revi-me em tantas coisas que achei que seria bom partilhar com vocês... Porque isto é ser emigrante...

 

 

A IMPORTÂNCIA DA ALMOFADA DE AMAMENTAÇÃO

almofadas-de-amamentar.jpg

Estar grávida é uma experiência incrível, mas ser mãe de primeira viagem torna tudo ainda mais surpreendente... O desafio maior é, sem dúvida, fazer a lista do enxoval, são tantos artigos e tantos pormenores que parámos muitas vezes para pensar se realmente vamos precisar daquilo tudo... Um dos artigos que ponderei comprar foi a almofada de amamentação, mas depois ter experimentado, numa aula do curso de preparação para o parto, e descobrir todas as utilidades que esta pode ter, fiquei rendida e acabei por fazer a encomenda pela internet. 

 

1. Mas afinal, o que é uma almofada de amamentação?

Uma almofada de amamentação é um travesseiro que foi concebido especialmente para as grávidas e para os bebés.

 

2. Quais as suas utilidades?

A sua utilização é bastante variada podendo ser utilizada desde a fase da gravidez até ao bebé ser "grandinho", ou seja:

 

  • durante o final da gravidez, quando a barriga já começa a "pesar" e torna-se difícil dormir, pois ajuda a encontrar uma posição mais confortável, diminuindo dores que possam eventualmente surgir (no pescoço, ombros e braços);

 

  • para auxiliar a mãe na amamentação, pois ajudam a mãe a apoiar o bebé na posição adequada, de forma a evitar que ele tenha problemas ao engolir, diminuindo o risco de desenvolver refluxo gástrico. Evita dores nos braços e nas costas, ao reduzir a curvatura da coluna enquanto amamenta, prevenindo assim dores nas costas. A espessura da almofada posiciona ainda o bebé a uma altura superior ao mamilo, facilitando a sucção e causando menos dor às mães;

 

  • para quem teve parto por cesariana, pois reduz a pressão sobre o abdómen;

 

  • indicada para bebés nos primeiros meses, pois o bebé pode ficar deitado sobre esta, numa posição super confortável;

 

  • para bebés um pouco maiores (a partir dos 9 meses), que estão aprendendo a sentar-se, a almofada é óptima para treinar o equilíbrio do bebé, pois pode colocar-se à volta da cintura do bebé o que irá dar sustentação, ajudando a deixá-lo sentadinho.

image.jpeg

 

 

3. Como se utiliza na gravidez?

Dormir de lado é a posição mais cómoda para as grávidas, pois dessa forma o peso da barriga apoia-se no colchão. Nessa posição, encaixa-se a almofada entre as pernas, deixando o abdómen descansado.

 

Mas existem outras formas como a pode utilizar, basta seguir a sua imaginação e tentar encontrar a posição onde se sinta mais confortável.

image.jpeg

 

 

4. Como se utiliza na hora de amamentar?

A almofada pode ser utilizada de várias formas possíveis, sentada ou deitada, o importante é que esteja bem instalada e de forma relaxada. Basicamente, coloca-se a almofada de forma a que o bebé fique bem posicionado em cima da almofada.

image.jpeg

 

 

5. Qual o melhor modelo?

Existem vários modelos de almofadas à escolha, o ideal é que tenha uma capa removível para que possa ser lavada, pois podem sujar-se facilmente, e que o tecido seja 100% algodão, para evitar possíveis alergias (sobretudo nos bebés).

 

Quanto ao tamanho, tudo depende do objectivo de cada mãe, para quem pretende utilizar a almofada desde a gravidez, o melhor será comprar uma almofada maior!

A ESCOLHA DA MATERNIDADE EM FRANÇA

escolher a maternidade.jpg

Em França, a escolha da maternidade é baseada fundamentalmente em 2 critérios: na proximidade do local de residência e no tipo de gravidez

 

Dependendo de como se desenvolve a gravidez, o obstetra ou a enfermeira parteira aconselham (e direcionam se fôr caso disso) o tipo de estabelecimento que mais se adequa, isto porque aqui as maternidades estão classificados em três níveis, de acordo com a capacidade que têm em seguir as gestações (gravidezes simples ou de risco):

 

  • Nível 1 - para as gravidez "simples" e sem complicações, o bebé nasce naturalmente por via vaginal ou por cesariana;

 

  • Nível 2 - apresentam uma unidade de neonatologia e acolhem gravidezes de risco ou múltiplas. Eles podem suportar desde bebês de parto que necessitam de cuidados médicos especiais.

 

  • Nível 3 - aquelas que possuem uma unidade de cuidados intensivos neonatal. Para os casos de gravidez de risco, sobretudo aquelas ligadas a nascimentos prematuros. 

 

Normalmente a inscrição faz-se por volta do 5º mês de gravidez, mas é sempre melhor informar-se junto da maternidade sobre os prazos de inscrição, pois há estabelecimentos que exigem que se faça a inscrição mais cedo. No entanto, em caso de urgência, a grávida pode dirigir-se a qualquer maternidade, mesmo se não estiver inscrita.

 

Ao inscrever-se verifique sempre as taxas cobradas pelas instituições privadas, pois o parto é suportado a 100% pelo seguro de saúde (ao que aqui em França se chama Mutuelle), tendo por base o preço do parto nos hospitais públicos. Por isso, se escolher um hospital privado informe-se o que é que o seu seguro de saúde cobre em relação a pedidos especiais (quarto individual, cama para o pai, televisão, linha telefónica...).

 

Só para terem uma ideia, no nosso caso, optámos por um hospital privado (maternidade do nível 1) bem perto de casa, após a recomendação de várias pessoas que fizeram lá o parto (acreditem que se torna bem difícil escolher quando não se conhece nada!). Temos noção que se optássemos por uma maternidade pública, não teríamos que gastar nenhum dinheiro, mas como o hospital público mais perto da nossa residência não tem "grande fama", optámos pelo serviço privado de forma a que possamos usufruir deste momento de uma forma mais tranquila. Temos um seguro de saúde que cobre a totalidade do parto com a excepção da anestesia epidural (que tem um valor de 270 euros), em relação ao quarto, e como optámos por um quarto particular, dos 120 euros/noite que o hospital cobra, o seguro paga quase 100 euros/noite; já para a cama-extra (para o meu marido ficar junto) o hospital cobra 20 euros/noite (aqui ainda não consegui obter a informação se seremos reembolsados ou não mas, independentemente disso, a decisão de ele ficar está mais que tomada). Por isso, fazendo todas as contas, achámos que as despesas que vamos ter compensam em muito as comodidades que vamos poder usufruir num dos momentos mais importantes da nossa vida!

GRAVIDEZ: DA PRÉ-CONCEPÇÃO AO PÓS-PARTO

image.jpegAntes de decidirmos ser pais, pensámos imensas vezes como iria ser vivenciarmos a experiência da maternidade/paternidade... E se a experiência por si só já nos deixava "inquietos", o facto desta ter que ser vivida num país estrangeiro deixáva-nos ainda mais ansiosos.

 

Não é que eu saiba o que é ter filhos em Portugal, mas é óbvio que as coisas seriam bem mais facilitadas... Estaríamos no nosso país, a falar a nossa língua e rodeados de familiares e amigos que nos iriam ajudar...

 

Aqui as coisas não são bem assim, longe de tudo e de todos, somos obrigados a pesquisar por nós mesmos... Desde a primeira consulta para confirmar a gravidez até a escolha da maternidade, tudo é uma novidade que exige de nós uma pesquisa profunda, e ao mesmo tempo angustiante, pois o medo de falhar em algum passo é muito grande!

 

De forma a poder ajudar futuros papás, que se possam encontrar numa situação semelhante, decidi que seria útil fazer um resumo de todo este processo que vai da fase da pré-concepção até ao parto... 

 

 

ANTES DE ENGRAVIDAR

image.jpeg

Tal como acontece em Portugal, o ideal é que, pelo menos 3 meses antes de se engravidar, se recorra ao médico de família/ginecologista para fazer uma consulta de pré-concepção. Nessa consulta, e de uma forma muito resumida, o médico:

 

- prescreve um suplemento de ácido fólico 400 µg (0.4 mg), um comprimido que contribui para o bom desenvolvimento do sistema nervoso central do bebé. Este medicamento, deve se começar a tomar 3 meses antes de engravidar (pelo menos) e até aos 3 primeiros meses da gravidez;

 

- pede um exame de sangue com hemograma completo, glicemia em jejum e grupo sanguíneo, bem como exames sorológicos para citomegalovírus, rubéola, toxoplasmose, hepatite B, hepatite C e SIDA;

 

- faz um exame ginecológico completo, que consiste no exame e palpação das mamas + o exame de Papanicolau (caso o último tenha sido feito há mais de 3 anos);

 

- verifica o cartão de vacinas, para ver se está em dia (a última dose da vacina anti-tetânica deve ter menos de 10 anos; deverá estar imune à rubéola, resultado que se vê através de análises ao sangue, caso contrário será necessário vacinar-se e só passados 3 meses é que pode tentar engravidar; e deve ter a vacina da Coqueluche, uma doença que em recém-nascidos pode causar complicações graves, como pneumonia, convulsões e danos cerebraisas, até à morte);

 

- e aconselha-a sobre os medicamentos que está a tomar (há medicamentos que têm que ser suspensos ou substituídos antes de se iniciar a tentativa de engravidar) e à prática de uma vida saudável (alimentação saudável, actividade física regular, redução de ingestão de bebidas alcoólicas e deixar de fumar).

 

 

QUANDO O TESTE É POSITIVO...

 

VIVA EL MÉXICO!

DSC00208.JPGEstávamos em Março de 2012, faltavam menos de 2 meses para o nosso casamento e ainda não tínhamos decidido onde iríamos passar a nossa Lua-de-Mel... Não queria um destino apenas de praia, até porque gosto de explorar, conhecer novas culturas... Caso contrário, fico com uma sensação de vazio dentro de mim! O Rui acaba por alinhar comigo, até porque não é adepto de estar horas e horas deitado numa toalha a apanhar sol, e se nas nossas primeiras viagens ele não era de muitas correrias, hoje sei que posso contar com ele pois o bichinho de conhecer também acabou por crescer nele!

 

Começámos a ouvir maravilhas do México, as suas praias paradisíacas com águas quentinhas, a sua riqueza cultural, as inúmeras atracções em contacto com a natureza, a sua gastronomia, a animada vida nocturna, o povo acolhedor e tantas outras coisas que fomos explorando, na internet, e acabou por nos deixar completamente rendidos!

 

Estávamos a falar da Viagem das Nossas Vidas, a nossa Lua-de-Mel, por isso queríamos que fosse especial, mágica e verdadeiramente inesquecível.

 

Fizemos a reserva numa Agência de Viagens e reservámos os nossos bilhetes pouco mais de um mês antes do nosso casamento... Partíamos dois dias depois do nosso casamento para a Riviera Maya, numa viagem de 15 dias, de forma a conhecer este Paraíso...

 

 

VAMOS SITUAR O MÉXICO e a RIVIERA MAYA

 

O México oficialmente Estados Unidos Mexicano é uma república constitucional federal que se localiza na América do Norte. É o quinto maior país das Américas por área total, possui um território de quase 2 milhões de quilómetros quadrados, e é o 14º maior país independente do Mundo.

image.jpegA Norte, o país é limitado pelos Estados Unidos; a sul e oeste pelo Oceano Pacífico; a sudeste pela Guatemala, Belize e Mar do Caribe e a leste pelo Golfo do México.

 

A cerca de 90 quilómetros do aeroporto de Cancun, localizada no estado de Quintana Roo no México, fica a Riviera Maya, o principal destino turístico do México (junto com Cancun, uma cidade muito mais agitada e com uma noite "pesada"), um verdadeiro paraíso natural banhado pelas águas do Mar das Caraíbas. Possui uma costa com mais de 120 quilómetros, que se estende desde a localidade de Puerto Morelos a Punta Allen, região da Península de Yucatan.

image.jpeg

Uma região conhecida pelas suas praias paradisíacas de água azul-turquesa e quentinha, resorts com mega estruturas, cidades coloniais, locais arqueológicos (ruínas maias que contam um pouco da história do país), inúmeros cenários naturais (como por exmplo, os cenotes, que são nada mais que rios e cavernas onde se pode fazer snorkel ou mergulhar de cilindro), uma grande variedade de atrações em contato com a natureza (parques temáticos, mergulho em piscinas naturais, com golfinhos...) e uma animada vida noturna. Isto tudo, aliado ao seu clima semitropical, com uma temperatura média anual de 25°C, faz desta região um dos destinos mais procurados, e foi por tudo isto que nós fomos lá parar! 

 

 

Passados quase quatro anos desta nossa viagem de sonho, decidi partilhar com vocês as maiores riquezas que vimos no México, mais concretamente na Riviera Maya... Percam uns minutos do vosso tempo e mergulhem nalguns dos locais mais surpreendentes que lá existem e que nós aconselhamos visitar...

 

 

Pág. 1/2